Colunistas

Você pede conselhos?

Psicóloga Jéssica Horácio – CRP 12/14394

Psicoterapeuta corporal e tanatóloga

Você pede conselhos para conhecer um outro ponto de vista ou para reafirmar o seu desejo?

Banana Motos
Maderonchi
Net Lider
Posto Bravo
Contape
Dengo Produtos de Limpeza

Algo que deixa os profissionais da psicologia clínica incomodados é ouvirem que eles em sua prática de consultório oferecem conselhos aos seus pacientes. O incômodo é justificável pois, embora a psicologia tenha evoluído em seu alcance social, esta ciência ainda carrega consigo estereótipos negativos e inverdades que a impedem de ser difundida com o respeito e a seriedade que merece. O problema é que ao associar conselho à ciência, se descredibiliza toda a neutralidade e impessoalidade do tratamento terapêutico, o que por si só é contrário à ciência.

Então vamos ao conceito da palavra conselho. Segundo pesquisas na internet, a palavra conselho diz respeito ao ato de opinar acerca de alguma ideia que lhe foi lançada, logo, aconselhar implica em acessar a própria subjetividade para levar o seu parecer àquele que solicitou o conselho. Amigos dão conselhos, familiares dão conselhos, colegas aconselham, já psicólogos e psicólogas, eles e elas levantam questionamentos que serão respondidos de acordo com a subjetividade do paciente. No primeiro caso temos alguém que se reflete em uma resposta através daquilo que deseja, acredita e pensa, e em outro temos alguém que estimula o indivíduo a se refletir na própria resposta a partir do contato com os próprios desejos, crenças e pensamentos. Entendeu a diferença?

Bem, mas o ponto em questão não é discorrer sobre as atribuições dos profissionais da psicologia clínica mas sim, sobre aquilo que buscamos quando solicitamos a opinião de alguém.

Agora que já sabemos do que se trata o conselho e que profissionais da psicologia não aconselham mas sim estimulam o próprio paciente a descobrir aquilo que quer, me diga uma coisa: o que é que você realmente está buscando quando pede conselhos a alguém? Ah! Mais uma pergunta: pra quem você costuma pedir conselhos?

Há quem peça conselhos numa tentativa de ser assertivo em uma decisão, há quem busque uma reafirmação daquilo que já está inclinado a fazer, há também quem acredite que o outro que aconselha conhece mais sobre o aconselhado do que ele mesmo…

O ser humano é plural e complexo e por isso cada um buscará nos conselhos apaziguar alguma angústia que o paralisa diante de alguma escolha. E tomar consciência das motivações por trás deste pedido poderá nos ajudar a ir adiante com o pedido, reavaliar a importância dele, abortar o ato de solicitar o conselho e até mesmo trocar a figura do conselheiro.

Ouvir pontos de vistas diferentes do nosso é um modo de ampliar a nossa visão de mundo e de problematizar a limitação do nosso olhar, então os conselhos podem ser relevantes. Mas, ser aconselhado é diferente de ser induzido, manipulado, desautorizado. Somos nós que decidimos qual peso dar àquilo que recebemos através do outro. Não precisamos seguir os conselhos que pedimos.

Se você solicitar conselhos a alguém que pensa de modo semelhante a você, bem, é provável que você só queira uma autorização ou aprovação sobre aquilo que pensa. Mas se você desejar ir um pouco além da aprovação alheia e querer ouvir outras perspectivas sobre o tema em questão, solicite um conselho de alguém que provavelmente tem uma visão de mundo diferente da sua.

Podemos aprender a olhar para a vida de forma mais ampla e isso não significa que seremos fiéis executando aquilo que ouvimos, mas sim que passaremos a considerar novos critérios para refletir acerca dos problemas que surgirem.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.


Marka final pauta
Dengo Produtos de Limpeza
Coopera Rodapé

Portal Forquilhinha Notícias. Acompanhe os fatos mais importantes de Forquilhinha em Santa Catarina assim que eles acontecem.

Copyright © 2016 Forquilhinha Notícias.

Topo