FORQUILHINHA Previsão do Tempo
Colunistas

Discutir a história

Wagner Fonseca Voto Polarização Copa discutir Acho Opinião Especialista eles polarização

Discutir a história é um ato que exige grande atenção de quem se dedica à sua análise. Cabe a historiadores e historiadoras, na maioria das vezes, se não em todas, deixar de lado suas paixões, inclusive as ideológicas quando no trato com a escrita da história. Isso está longe de ser uma verdade palpável, mesmo que alguém argumente que “contra os fatos não há argumentos”, assumir neutralidade científica é praticamente inviável, pelo menos nas humanidades.

Bem, se não há argumentos, não há interpretação, logo, não há história. Isso demonstra o caráter dialético da história, do movimento constante e incessante da sua existência cotidiana. Sim, ela pode ser contestada e manipulada, o que exige um acompanhamento, um cuidado especial e diário por quem a estuda e por quem a escreve.

Isso me recorda a metáfora utilizada por um professor da faculdade ao comparar a história com pedaços de um espelho quebrado no chão. O reflexo, ao se olhar, é o mesmo em todo pequeno fragmento espelhado, porém, cada um oferece um ângulo, por menor que seja, diferente. Da mesma forma, a história, a depender do ponto de onde se observa, poderemos ter diferentes nuances. Todo ponto de vista é a vista de um ponto, nos alertava Leonardo Boff, embora eu já tenha visto essa frase associada à Boaventura de Sousa Santos. Por si só, essa dúvida já nos serve para pensar sobre a história, sobre suas “personagens” e “autores e autoras”.

Net Lider
Credisol
Dengo Produtos de Limpeza
Maderonchi
Contape

Oras, estaria aqui então a relativizar a história, ou a “verdade histórica”? De modo algum. A história, enquanto ciência que se debruça sobre a ação humana no tempo e no espaço, precisa confrontar-se a si mesma no âmbito de garantir para si uma “validade” maior. Se a reduzirmos apenas aos fatos documentados, se reduzirmos a história apenas ao registro daquilo que foi – “exatamente” como foi – perderemos toda a capacidade analítica e interpretativa que ela nos traz. Do contrário, corremos o risco do dataísmo, pensando aqui em Chull Han: tudo se torna um dado a ser quantificado e guardado em bites e mais bites.

Agora, pense: aquele evento de alguns anos atras no qual você fotografou e gravou tudo, tudo, tudo – esse registro que você guarda com carinho em algum canto virtual – garante a você “toda a verdade” daquele momento? Te dá toda a emoção que você viveu?

Toda essa minha divagação surgiu de um questionamento lançado por um aluno em sala de aula sobre um tema cujas verdades eu já havia construído e consolidado dentro de minha atuação docente no decorrer de tantos anos. Ao ver a oratória do aluno demonstrando conhecimento e, acima de tudo, a pesquisa e leitura que transpareceram em sua fala, me vi confrontado no meu confortável lugar de professor. Também aí me obriguei à pesquisa e leitura novamente, sem muito esforço, e descobri que também minhas paixões ideológicas nublavam meu conhecimento. Disse Augusto Cury, creio eu em um de seus livros, que o pior professor é aquele que deixa de ser aluno, e lá estava eu sendo esse professor. Desci do altar que construí para mim mesmo sem nem perceber e voltei aos livros para rever meus erros, por menores que fossem, entretanto, com um peso tão grande.  Felizmente tenho um aluno que soube me ensinar.


Dengo Produtos de Limpeza
Marka final pauta
Coopera Rodapé

Portal Forquilhinha Notícias. Acompanhe os fatos mais importantes de Forquilhinha em Santa Catarina assim que eles acontecem.

Copyright © 2016 Forquilhinha Notícias.

Topo