Colunistas

Oi, tudo bem?

Psicóloga Jéssica Horácio – CRP 12/14394

Psicoterapeuta Corporal e Tanatóloga

Eu lembro que quando ganhei meu primeiro computador eu ficava procurando palavras para abreviar e usar nas redes sociais, na época – há uns vinte ano atrás – quem sabia as gírias e abreviações do mundo tecnológico era muito descolado, óbvio que na era da internet eu também queria ser. E assim foi, trocamos o “você” por “vc”, o “também” por “tb”, ah! excluímos a pontuação dos textos também, até passamos a chamar alguns textos de “textos corridos” – vê se pode, e não é pra menos. E as poesias? Elas perderam linhas e eliminaram palavras com mais de quatro sílabas, nós diminuímos o diálogo pra acelerar a compreensão e para não “perder tempo”. A gente não se deu conta mas o “oi, tudo bem?”  se tornou o novo cumprimento.

Contape
Banana Motos
Star Seguros
Posto Bravo
Dengo Produtos de Limpeza
Net Lider

Isso não é uma crítica, é só a percepção de que temos encurtado as nossas experiências para termos mais tempo de viver mais experiências. E talvez, em meio a este processo de abreviações, temos nos desconectado uns dos outros.

Quando foi a última vez que você parou, olhou alguém nos olhos e dedicou o seu tempo  e a sua escuta para realmente perguntar: “como vai você?” E qual foi a última vez que você esteve do outro lado do diálogo?

O tempo tem uma participação muito importante na construção dos vínculos afetivos, no envolvimento emocional e na capacidade de entrega. Às pressas o ser humano não se conecta, ele toca mas não sente, ele pergunta, mas não ouve.

Willhelm Reich, prercursor da  psicoterapia corporal ensina que o ser humano é construção, para ele se desenvolver é necessário que ele construa relações de segurança, de elo e de intimidade, e esses construtos possuem a calma como pano de fundo.

Se tornar consciente das nossas pressas pode nos ajudar a entender pra onde estamos indo, pra quê e pra quem, pode nos fazer repensar se estamos cuidando das nossas relações através da dedicação de tempo para elas, e também se temos dedicado tempo para nos perguntar e ouvir como estamos nos sentindo.

Uma sugestão: tente não abreviar a sua relação consigo, nem encurtar o tempo que você passa na sua companhia. Talvez a vida possa ser mais do que o acúmulo de experiências, talvez ela possa ser sobre a nossa capacidade de se envolver e permanecer com calma em algumas delas.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.


Dengo Produtos de Limpeza
Marka final pauta
Coopera Rodapé

Portal Forquilhinha Notícias. Acompanhe os fatos mais importantes de Forquilhinha em Santa Catarina assim que eles acontecem.

Copyright © 2016 Forquilhinha Notícias.

Topo