FORQUILHINHA Previsão do Tempo
Colunistas

O rio e a cidade

vagner fonseca v2

O rio corta a cidade, dizem, mas o rio não corta, de verdade. O que corta é vê-lo triste, esquecido e abandonado. O burburinho de suas águas é o seu choro, o seu lamentar cotidiano da vida que lhe foi ceifada, da liberdade que lhe foi tolhida. O rio não corta a cidade.

O rio, todavia, ainda vive n’alguma memória antes da chegada do deus progresso. Lá, no sagrado existir do lembrar, crianças brincam em sua torrente lavando seu corpo com o sabão caseiro. No sagrado da memória sempre repleta de reconstrução, os peixes ora têm meio quilo ora quilo e meio. No sagrado ato de lembrar o rio sempre é mais que um existir. O rio é vida e vida pouco há sem o rio deslizando pela terra por aqui e por ali.

Mas o homem não cuidou do rio, cuidou do seu bolso e do seu olhar infinito de tudo querer ter. O homem não se satisfaz com o pouco que tem justamente porque acha que o que tem é pouco. O homem luta incansavelmente por coisas que não possui e quando as adquire é por elas possuído. O rio tudo dava, tudo oferecia, até quando se enfurecia e não adianta reclamar da Mãe Natureza! Aqui, onde somos passageiros ela é infinita e não nos cabe julgá-la.

Contape
Maderonchi
Credisol
Dengo Produtos de Limpeza
Net Lider

Hoje nós crescemos e o rio se apequenou, não de verdade. Na verdade somos nós que o menorizamos, menosprezamos e o maltratamos. Do fundo da terra tiramos o que lá deveria sempre estar, a ‘pedra preta’ do progresso, esburacando as veias de todos os outros rios que nos circulam e nos abraçam com carinho. Não cavamos buracos para morar, como o fazem os animais. Cavamos buracos para enriquecer uns poucos e agora corremos riscos de não ter mais água boa para nossa saúde.

Porém, o rio sufoca em outros lugares, no próprio leito onde vive há milhares de anos. O homem não pode ver suas margens na perfeição de serem indomadas e tenta domá-las. Então, a cada boa chuvarada o rio se revolta e exige o que é seu direito. Antes, árvores atenuavam suas cheias, hoje o homem as derruba sem piedade nem respeito. As árvores atrapalham a lavoura, dizem.

Enfim, o rio continua e continuará. Nós, por outro lado, mal sabemos onde podemos chegar. Em nossas casas não respeitamos o rio. Não respeitamos os rios em nossas ruas. As fábricas não respeitam os rios nem nossos políticos. O rio está na cidade? Melhor seria dizer que a cidade tenta se apossar do rio sem saber que o rio não precisa ser de ninguém porque de todos ele sempre foi. Como sempre foi nosso rio Mãe Luzia.


Marka final pauta
Dengo Produtos de Limpeza
Coopera Rodapé

Portal Forquilhinha Notícias. Acompanhe os fatos mais importantes de Forquilhinha em Santa Catarina assim que eles acontecem.

Copyright © 2016 Forquilhinha Notícias.

Topo