Colunistas

Reflexos e reflexões de um cansaço que nos adoece

Estamos cansados em todos os sentidos. Cansados, fracos e adoecidos. Para alguns mais alarmantes é tudo um castigo divino, fim dos tempos, mas para estes é sempre assim. Qualquer coisa que acontece ou é o destino agindo ou outra força sobrenatural. Afinal, é sempre mais fácil colocar a culpa em algo que não se consegue compreender nem explicar, posto que compreensão e explicação exigem muito além da vontade e capacidade a que estamos acostumados. Invoque-se Deus ou o Diabo e tudo estará resolvido. Pelo menos no campo das culpas.

De qualquer forma, a pandemia nos cansou, o valente século XXI! Tal qual seu antecessor vivendo uma Belle Époque, crendo nos avanços científicos e tecnológicos, no avanço das ideias e do conhecimento que erigia a “casta” europeia sobre o restante do mundo e viu fenecer seus ideais em sangrentas guerras mundiais e nos totalitarismos.

O polo se inverteu e a incomensurável força do progresso e conhecimento humanos foram novamente abalados, não pela nossa forte convicção em nossa sociedade, mas ao contrário: vimos alguns odiosos discursos contrários à ciência, por exemplo, terem que voltar essa convicção já um tanto abalada para travar uma guerra diferente. O inimigo agora é praticamente invisível, mata gradualmente o ser humano e “fere de faca” o sistema financeiro.

Posto Bravo
Thiago Auto Lavação
Dengo Produtos de Limpeza
Net Lider
Contape
Sabor D,Italia

Se no século XX a crença no progresso, uma das características do pensamento moderno, não foi suficiente para livrar a sociedade humana da barbárie, criando a devastação bélica de duas guerras mundiais, no início desse século e, principalmente agora, vemos um embate dantesco entre a ciência e as superstições. Há quem diga que o discurso iluminista falhou e não se obtém mais sucesso a tentar-se iluminar as mentes humanas.

A grande rede, a internet, tornou-se nosso “grande irmão orwelliano”, que a tudo vigia e tudo sabe de nós. E nós nos entregamos de graça, todo nosso conhecimento e, o mais importante de tudo: entregamos de graça à “Grande Rede” toda nossa santa e sagrada ignorância! No ápice de achar que sabemos algo, acabamos apenas nos passando pelo “tiozão do zap” que compartilha coisas porque sabe apertar um botão de compartilhar…

No fundo, e na superfície também, trata-se de controle, de controle de corpos e mentes, de educar sensações e sentimentos, de educar o olhar e a dor. Parece que há muita coisa, muita informação misturada nessas poucas linhas, como poderia ser diferente? Esse é o mundo em que vivemos, rodeados de uma miríade constante e crescente de informações que nos adoece tanto quanto outros minúsculos seres nocivos aos nossos corpos. Esses podem ser combatidos com remédios, mas como combater as ideias que nos rodeiam? Ou melhor, como equilibrar todo o poderio, toda a sedução que elas impõem sobre nós?

Até pouco tempo, o filósofo Foucault dizia-nos que vivíamos sob uma sociedade do controle, e ainda é assim em muitos aspectos. As regras, as leis e os decretos – lockdown – se tornaram palavras comuns nesses meses pandêmicos. De outro lado, Byung-Chul Han, filósofo coreano que vive na Alemanha, aponta que aquela sociedade do controle já tem seus dias contados ou já passou.

Vivemos sob outra sociedade, uma sociedade do desempenho, do “eu posso”. Olhe ao seu redor e, pessoas que viveram a virada do século, lembrem-se como os discursos foram positivados. Ganhamos o poder de dominar nossos rumos! É o que dizem as palestras e os milhares de discursos, sejam de auto ajuda ou auto motivação. Então, uma pandemia nos tira todo esse poder de fazer as coisas. Como poderíamos não adoecer?

Uns “presos” em suas casas, como medo de um inimigo que mata sem ser visto. Uns “presos” na sua santa ignorância apenas esperando a próxima “fake news” que combina exatamente com a sua ideologia para poder compartilhar com um sorriso quase insano de quem acha que sabe algo. Outros “presos” na negatividade de não poder fazer as coisas que fazia antes da pandemia. No primeiro lapso, quebra-se a regra e bora curtir a natureza – antes só curtia o escritório.

Adoecemos com a doença física, com a cadeia mental, adoecemos por não poder fazer o que fomos educados desde cedo que podíamos. Muitos adoecem por não poderem sequer ter esses direitos. Alguma coisa temos que aprender até o fim dessa crise. O que, ainda precisamos descobrir.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.


Marka final pauta
Dengo Produtos de Limpeza
Coopera Rodapé

Portal Forquilhinha Notícias. Acompanhe os fatos mais importantes de Forquilhinha em Santa Catarina assim que eles acontecem.

Copyright © 2016 Forquilhinha Notícias.

Topo