Óticas Carol 2
Sulcatel
Óticas Carol
Colunistas

Em que fase estou? – Quando repensar o relacionamento é necessário

Odonto Excellence

Psicóloga Jéssica Horácio – CRP 12/14394 – Psicoterapeuta Corporal

Você não sente mais as borboletas no estômago nem o frio na barriga, não sente mais vontade de estar perto, é indiferente à presença… Parece que tanto faz ficar ou ir… Mesmo assim sente medo de se arrepender da decisão de romper com a relação. Então as dúvidas começam a surgir e as hipóteses também. “E se…” vira parte dos pensamentos assim como a insatisfação se torna constante nos próprios sentimentos.

Tudo aquilo que vivemos possui fases, independente da área à que esteja relacionada na nossa vida. Sentimos a princípio desejo e usufruímos dele criando várias histórias mentais, posteriormente investimos na conquista daquilo que tanto desperta o nosso interesse, quando “conquistado”, vamos para a fase de descoberta, de conhecimento, assim seguimos buscando segurança, conforto e tudo aquilo que poderá nos satisfazer de acordo com o momento de vida que estamos e com a nossa história emocional particular.

Anunciar 2017 – 200px
Stylo Bike
Dengo Produtos de Limpeza
Cia da Saúde
Ciranda Papelaria
Da Soler Selo

Por estarmos em contato com um mundo que se atualiza em um ritmo acelerado, consequentemente também sofremos mudanças constantemente:  há fases em que precisamos de muita segurança, em outras precisamos de aventuras, paixões… Se tratando de ralações, é importante enfatizar que nem sempre o relacionamento consegue acompanhar as nossas mudanças, isso acontece quando não as apresentamos para o parceiro e com isso vamos nos conformando com aquilo que era tão importante no passado mas que hoje não é mais essencial para permanecermos ali.

Então a insatisfação vai surgindo, vamos culpando o outro pelas faltas que identificamos, as vezes somos até duras conosco: “mas como eu quero ainda estar apaixonada depois de tanto tempo juntos?” A questão não é a falta de paixão mas sim a falta de interesse pela relação porque julga-se que o que ela oferece não é mais fundamental para si, ou que ela não mobiliza o esforço e a dedicação necessárias e que se gostaria de ter.

Conseguir identificar os movimentos necessários para o próprio futuro é fundamental para agir de acordo com isto apesar de todas as abdicações que determinada escolha implicará. As vezes o outro não vai querer acompanhar nosso novo movimento porque para ele “está bom assim”, e então é onde podemos nos questionar: “qual é a minha prioridade nesta relação?”, ou: “para que estou nesta relação?”.

Buscar aquilo que pode nos satisfazer é um compromisso com o amor próprio, mas é fundamental também reconhecermos a nossa responsabilidade neste processo de autodescoberta e realização pessoal. Lidar com as conseqüências das próprias escolhas faz parte do desenvolvimento da maturidade pois nem sempre o resultado será como imaginamos. Se colocar como protagonista da própria vida contribui para que os sentimentos sejam valorizados e que as escolhas sejam feitas com base neles.

Então, saber em que fase você se encontra, quais desejos e necessidades surgiram pode auxiliar neste processo delicado de reflexão sobre a relação. É possível ajustar uma relação para que ela satisfaça algumas necessidades pessoais de acordo com a fase da vida em que se está, assim como é possível também que novos relacionamentos sejam construídos a partir de novos desejos e necessidades. Não existe uma regra assertiva sobre este contexto, mas quando as escolhas são regidas visando o respeito mútuo, terá como função encontrar decisões saudáveis para cada um.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.


Spilere Serralheria G
Anuncie FN 2017
Dengo Produtos de Limpeza
Marka final pauta
Coopera Rodapé
Topo