Colunistas

Quando chove aí dentro

Psicóloga Jéssica Horácio – CRP 12/14394

Psicoterapeuta corporal e tanatóloga

Tem dias que a gente abre os olhos e plim, a energia interna acorda no seu nível máximo, nestes dias não é necessário recorrer a nenhuma estratégia para se manter bem: nós simplesmente estamos bem. É consequência da temperatura? Resquícios do dia anterior? Um sonho bom que tivemos? Nem sempre teremos estas respostas, mas às vezes basta saber que somos humanos e que as emoções fazem parte da nossa construção, e que elas oscilam independentemente do nosso querer.

Thiago Auto Lavação
Net Lider
Colinas Chocolatteria
Maderonchi
Contape
Dengo Produtos de Limpeza

Mas há dias em que a tristeza, o desânimo, o cansaço e o medo despertam junto com a gente. São dias em que o choro fica preso na garganta, que o coração palpita mais que o habitual, que a boca fica seca e parece que existe um tijolo pressionando o nosso peito. Quando esses dias se tornam recorrentes é muito importante procurar ajuda profissional para entender o que está promovendo este amontoado de sensações e emoções dolorosas com tanta frequência. Mas, às vezes estes dias são só dias e não estão associados a nenhuma psicopatologia. O autoconhecimento que se dá através da psicoterapia é quem nos ajudará a fazer esta identificação.

E tão importante quanto procurar auxílio psicológico e psiquiátrico é aprender a desenvolver estratégias de autoacolhimento. Eu costumo chamar estas estratégias de kit de primeiros socorros emocionais, é porque é exatamente este o objetivo deste “kit”: nos amparar nos momentos em que as emoções e sensações dificultam a fluidez sobre a vida.

Quando chove lá fora você sabe exatamente o que precisa ter e fazer para se proteger: ter um guarda-chuva ou uma capa de chuva, sapatos fechados que não absorvam água, também sabe as atitudes que precisa tomar para não se molhar e nem pegar um resfriado: evitar andar na chuva, tirar a roupa que molhou, se for frio, tomar uma bebida quentinha… Mas, será que você sabe do que precisa quando a chuva não acontece lá fora mas sim dentro de você?

Me diz uma coisa, você sabe o que te acalma? Você conhece o que te conecta consigo? Você sabe do que precisa nestes de emoções nubladas e chuvosas?

O fato é que algumas famílias não possuem uma boa relação com as próprias emoções e por conta disso, acabam não estimulando nos seus membros o contato emocional. É por isso também que muitas pessoas crescem desconhecendo os próprios sentimentos e atrofiando a capacidade de desenvolver recursos para lidar com esta característica necessariamente humanas.

Estamos nos mês de setembro em que a saúde mental é abordada através de campanhas de conscientização sobre a vida, e não só neste mês mas durante todo o ano é necessário falarmos sobre este tema que ainda é cercado de tabus e preconceitos.

Por isso eu gostaria de te deixar a tarefa de ao longo desta semana, voltar o olhar mais para si e perceber o que é necessário inserir no seu kit de autocuidado. Será que nos dias em que a sua energia está baixinha você precisa de um abraço? Ou será que estar consigo é a melhor alternativa? Músicas tristes ou alegres? Qual filme te acolhe? O que te recarrega?

Talvez você possa fazer algumas anotações e deixar num lugar estratégico para acessar nestes dias doloridos, quem sabe você possa fazer uma playlist, salvar aquele filme que te diverte ou emociona, quem sabe você possa construir o seu próprio kit de autoacolhimento para que assim como naturalmente chegou, a dor também naturalmente vá embora.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.


Marka final pauta
Dengo Produtos de Limpeza
Coopera Rodapé

Portal Forquilhinha Notícias. Acompanhe os fatos mais importantes de Forquilhinha em Santa Catarina assim que eles acontecem.

Copyright © 2016 Forquilhinha Notícias.

Topo