Colunistas

Quais escolhas são verdadeiramente suas?

Psicóloga Jéssica Horácio – CRP 12/14394

Psicoterapeuta corporal e tanatóloga

Você já presenciou duas crianças brincando juntas e compartilhando uma com a outra os brinquedos que possuem? É uma experiência agradável de se ter, afinal, elas nos ensinam com muita propriedade lições sobre posse, identificação, compartilhamento… Elas podem trocar os brinquedos, uma levar para casa o brinquedo da outra, podem lutar pelo o brinquedo que elas se identificam, e no fim de tudo, o que elas desejam é ficar com aquilo que tem um significado para elas independente das expectativas que pais e mães tenham sobre as escolhas que elas deveriam fazer.

Sabor D,Italia
Star Seguros
Net Lider
Dengo Produtos de Limpeza
Contape
Posto Bravo

A nossa reflexão hoje não será sobre crianças, mas sobre a importância de aprendermos a separar o que é nosso daquilo que é do outro. Pra ficar mais claro, vamos conversar a respeito da nossa tendência em acreditar que aquilo que faz parte da mente do outro corresponde à nossa realidade, entende? Ou ainda, sobre vivermos tão profundamente imersas nas expectativas alheias que nem conseguimos mais reconhecer quais destas tais metas de fato são nossas.

É muito bonito para quem trabalha com psicologia clínica receber no consultório uma pessoa disposta a refletir sobre o modo como tem vivido, e o ato de refletir se torna bonito porque quando a pessoa assume que precisa ou que deseja olhar para as atitudes e emoções que a habitam, ela está dizendo para si e para o mundo que ela existe independente das expectativas que construíram sobre como ela deve viver.

E bem, não há nada mais bonito do que uma pessoa que quer dizer sim à vida e que deseja imprimir no mundo a sua própria personalidade. Não é?

Olhar para o próprio processo de fazer escolhas e refletir sobre os critérios utilizados para que tais escolhas aconteçam é um grande ato de liberdade, coragem e ousadia, afinal, pode ser muito mais fácil seguir um roteiro que traz consigo definições de como se viver. Porém, nem sempre aquilo que é fácil corresponde verdadeiramente aquilo que de fato nos toca. Existem vários sentidos a serem dados para a nossa vida, e somente em alguns casos os sentidos mais fáceis se exercerão. Você já reparou que existem estereótipos para cada idade, gênero, cor, credo, profissão…? E quantas de nós fazemos escolhas com base em tais estereótipos sem nos dar conta de que eles de fato não combinam com os nossos verdadeiros anseios?

E veja bem, estamos no mesmo barco ora porque é mais fácil seguir tais estereótipos, ora porque não acreditamos que podemos subvertê-los, ora por termos medo de lidar com o estranhamento alheio, com as consequências de mudar de rota, com o incerto.

Mas, é por isso que eu trouxe no início da nossa conversa o exemplo das crianças compartilhando brinquedos, para pensarmos na importância de se ter bem definido o que é nosso, e para não abdicarmos disso sem um motivo que nos faça com todo o nosso ser desejar abrir mão.

Então eu te convido a olhar para as novas possibilidades que existem à sua frente e se permitir entender os motivos que te fazem escolher aquilo que você escolhe. Não existe escolha errada, existe escolha sem propriedade. E quem sabe você e eu possamos assumir diariamente o nosso direito de acessarmos a vida que existe dentro de nós nos recusando a aceitar aquela vida que não tem significado algum para a nossa singular existência.

Você quer tentar? Por quê? Refletir sobre o seu desejo é uma ótima forma de começamos bem. Se cuida.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.


Marka final pauta
Dengo Produtos de Limpeza
Coopera Rodapé

Portal Forquilhinha Notícias. Acompanhe os fatos mais importantes de Forquilhinha em Santa Catarina assim que eles acontecem.

Copyright © 2016 Forquilhinha Notícias.

Topo