Colunistas

Pressa para quê?

Psicóloga Jéssica Horácio – CRP 12/14394

Psicoterapeuta corporal e tanatóloga

Vou iniciar esta conversa fazendo uma revelação limitada aqui, aliás, para quem não conhece, este termo é utilizado para informar que a psicóloga fará uma exposição de algum fragmento da vida dela que poderá ser terapêutico e condizente com o processo do paciente. Bem, o fato é que tenho observado que algo que eu amava fazer tem se tornado difícil ultimamente.

Contape
Dengo Produtos de Limpeza
Net Lider
Posto Bravo
Maderonchi

Eu adorava cozinhar, porém, recentemente tenho me observado atrapalhada e com muita pressa no momento de preparar alguma comida. Identifiquei que a ansiedade tem boicotado o prazer que eu sentia ao ir para a cozinha. Os motivos já identifiquei e trabalharei internamente para lidar, mas o ponto que quero trazer não está necessariamente na origem, mas sim nas consequências da ansiedade no nosso dia a dia.

Concluir tarefas tem sido uma meta comum na nossa vida, não é? O processo muitas vezes não é tão valorizado quanto o fim. Enquanto escrevo este texto por exemplo, preciso fazer um exercício interno para curtir o meio e amenizar a ansiedade em publicá-lo. Essa não é uma tarefa fácil diante do amontoado de coisas que nós abraçamos para dar conta. Quanto mais tarefas pegamos, mais pressa teremos em concluí-las, mais ansiosas ficaremos, menos prazer teremos em executá-las, e às vezes até nos boicotaremos e não sairemos do lugar.

Isto faz sentido para você?

O peregrino quando trilha um caminho com pressa perde completamente a capacidade de contemplar a jornada, e será necessário perceber o breve gosto do fim da peregrinação para iniciar uma nova jornada, porém desta vez mais contemplativa e autoconsciente, ou, continuará caminhando obcecado pelo fim do trajeto.

Se lembrar do motivo que nos liga à coisa em si pode ser o ponto inicial de mudança. A ansiedade perde forças quando tomamos consciência da existência dela e assumimos uma nova postura frente a vida. Se eu me lembrar que aquilo que me liga à culinária é a possibilidade de criar o que eu quiser e que isto acaba sendo extremamente terapêutico pra mim, bem, posso encontrar internamente este desejo e calar a minha ansiedade.

E neste processo de encontro com o verdadeiro sentido de fazer aquilo que se escolheu fazer encontra-se a respiração. Respirar lenta e profundamente auxilia o processo de oxigenação cerebral, o que promove calma e foco no momento presente. Aliás, como anda o seu movimento respiratório? Quanto mais superficial (curtinha) for este processo, maior a tendência em se perder de si e acessar a ansiedade.

As músicas relaxantes, a meditação guiada e as práticas de mindfulness (todas encontradas na internet) podem ser auxiliares no desenvolvimento de uma respiração mais consciente, e consequentemente na execução de tarefas que merecem um olhar mais acolhedor e profundo sobre elas.

Bem, que você e eu lembremos do sentido das escolhas que fazemos e que neles encontremos contemplação, diversão e bem-estar. Que a ansiedade perca espaço naquilo que é terapêutico para nós.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.


Dengo Produtos de Limpeza
Marka final pauta
Coopera Rodapé

Portal Forquilhinha Notícias. Acompanhe os fatos mais importantes de Forquilhinha em Santa Catarina assim que eles acontecem.

Copyright © 2016 Forquilhinha Notícias.

Topo