FORQUILHINHA Previsão do Tempo
Colunistas

Precisamos de melhores eleitores…

vagner fonseca v2

Conversava eu num dia desses com um amigo sobre a qualificação de nossos candidatos a representação política. Dizia-lhe que era preciso qualificarmos nossos candidatos, quem sabe até mesmo um concurso para saber quem será considerado “apto” ao pleito, algo complicado, polêmico. Então ele oferece uma ideia, a de qualificar os eleitores! Bingo! Eis a consideração.

As perguntas continuavam em nossa conversa e para cada resposta outra dúvida. Meu amigo, uma pessoa capaz, que sabe utilizar a sua inteligência, censurado pelo próprio partido por fazer campanha e postagens anticorrupção! Como pode um partido se querer sério e pleitear o poder em uma administração municipal se censura os seus pares por serem mais livres que as marionetes a que estão acostumados? Eu não preciso dizer o nome do partido, isso pouco importa na verdade. Em cada um deles há uma demagogia insana, uma hipocrisia enraizada no habitus de seus componentes, sejam eles cargos efetivos ou de confiança dentro ou fora da administração municipal ou estadual. As nossas piscinas estão mesmo cheias de ratos…

Política e educação

Neutralidade é uma palavra cara a todas às ciências, um subterfúgio criado, pode-se dizer, para eximir o cientista das consequências de suas pesquisas, embora eu não compactue totalmente com essa forma de pensar. Na ciência pedagógica, por outro lado, a neutralidade é um fantasma que muitos acreditam existir, embora saibamos que não exista. A questão é posta acima, como formar melhores eleitores? Oras, na escola?! Seria a escola o único lugar do aprendizado? Obviamente não.

Maderonchi
Net Lider
Contape
Credisol
Dengo Produtos de Limpeza

Educação, já diz o ditado, vem de casa, porém a casa também recebe educação. Quem educa a casa, o lar? Quem educa pais e mães exauridos por uma jornada de trabalho, às vezes dupla ou tripla, que chegam em suas casas prontos para tomar um banho e descansar para se preparar novamente para outro dia extenuante de trabalho? E antes que alguém comece a dizer que “na minha época a gente dava conta”, é preciso recordar que sua época já acabou, assim como a minha também. Não estou desdenhando o passado, muito pelo contrário. O que não podemos é voltar a pensar que se deve viver para trabalhar, pois o trabalho pode ser uma coisa boa, mas também é origem de muitos males de nossa saúde.

Nossas casas sofrem influência direta dos meios de comunicação de massa, da programação televisiva, radiofônica e atualmente das redes sociais, da internet tão presente em nossas rodas de bate-papo e dispositivos celulares. Estamos conectados umbilicalmente com a informação via mundo digital e a oferta é tamanha que mal conseguimos produzir um conhecimento novo com tanta informação que nos é jogada diariamente.

Com tanta informação sendo oferecida aos quatro ventos a cada instante, cabe à educação escolar um papel importante, tão importante que, num país que se quer de primeiro mundo – e eu sempre tive minhas dúvidas sobre isso – a educação escolar é sempre a que mais sofre. A escola é um elo corroído pelo tempo, pelo desgaste político de décadas e por um descaso institucionalizado em cada novo governo.

Reza-se uma cantilena que temos escolas do século XIX com professores do século XX trabalhando com alunos do século XXI. Há, contudo, muita discordância com essa verborragia. As mentes do século XXI estão empanturradas de informações rápidas que jamais conseguirão digerir por completo e não há aula ou professor que estimule quem não quer ser estimulado, isso é fato (coisa que não gosto de dizer…). Investir em educação é um gasto quando se pensa apenas em investir na escola sendo que, como já vimos, educação não é apenas na escola que acontece (aqui outro ponto para um debate maior).

Melhores eleitores surgem de melhores cidadãos, estes surgem nas escolas, mas não apenas nelas. Contudo, da forma como pensam em tratar as escolas e professores, retornaremos à cantilena citada acima sem muito esforço. É preciso ensinar as pessoas a pensarem por conta própria, a serem livres como sujeitos na busca por um mundo melhor onde se possa vislumbrar a paz individual e coletiva, algo bem distante desses acessos de raiva e ódio baseados no medo que se postula pelas redes sociais.

Educação, política e meio ambiente

Já dizia o filósofo Rousseau, que a criança deve ser educada para ser um cidadão. Ele também alertava que antes desse cidadão a natureza nos chama a Ser, a ser mais do que um cidadão acorrentado aos ditames da política nefasta e hipócrita que permeia nosso cotidiano.

Ontem pela tarde pude, com muita tristeza, vislumbrar uma cena lastimável sobre nosso rio Mãe Luzia. Da passarela via-se logo abaixo em suas águas sacos de lixo espalhados nas pedras, misturando-se ao limo que teima em sobreviver naquela água ácida. Por mais de cem metros em seu leito via-se lixo espalhado e não consigo sequer imaginar como foram parar lá. Juntamente a esse lixo pairava uma camada de gosma, talvez gordura de origem animal que se espalhava desde uns 300 metros antes da ponte até pouco além da passarela.

O descuido com nosso meio ambiente está diretamente relacionado com nossas práticas educativas, escolares e familiares, e também com nossas práticas políticas. Quantas e quantas vezes vimos alguma administração municipal preocupada com o meio ambiente? Talvez na década de 1990, como atestam alguns jornais da época (uma pesquisa rápida no Museu Anton Eyng e você encontra). Aliás, por se falar em museu, em cultura, este é outro pilar de nossa sociedade que está ruindo, abandonado…

Qual é a preocupação de nossos postulantes aos cargos políticos quanto ao meio ambiente? Ficaremos ainda nas eternas boas intenções sem resultados práticos imediatos? Ainda permitir-se-á que se construam edifícios às margens sufocadas de nossos rios? Ainda será permitido o esgoto ser jogado diretamente em nosso rio Mãe Luzia? Ainda teremos o nosso verde sendo surrupiado sem planejamento sustentável no ambiente urbano que se urbaniza cada dia mais? Até quando Forquilhinha vai aguentar crescer sem se desenvolver?

Finalizando…

E você, candidato e candidata a vereança, sabe realmente qual será sua função se eleito ou eleita? Você, candidato e candidata a vereador ou vereadora, seria ainda candidato ou candidata se seu salário fosse disciplinado pelo piso salarial dos professores? Seria ainda candidato ou candidata se recebesse apenas um salário mínimo? Você, candidato a vereador, candidata a vereadora, conhece a ideologia de seu partido político? Você sabe o significado ideológico e prático de sua sigla? Você sabe, caro candidato, cara candidata, que para legislar é necessário muita leitura? Você lê com que frequência? Sabe que ser vereador  ou vereadora não é arranjar exames de saúde ou caminhões de terra? Sabe que legislar significa olhar para o todo, para o coletivo, para além de suas convicções pessoais?

Se você que é candidato ou candidata não sabe de coisas básicas assim, deveria saber, deve saber. Se eleito ou eleita, procure se informar mais sobre essas coisas. Respeite a confiança dos votos recebidos e trabalhe com seus eleitores para que eles sejam melhores também e aprendam a não se vender. Há uma frase do Barão de Itararé que diz mais ou menos assim: “Quem se vende recebe mais do que vale”. É para pensar mesmo.


Dengo Produtos de Limpeza
Marka final pauta
Coopera Rodapé

Portal Forquilhinha Notícias. Acompanhe os fatos mais importantes de Forquilhinha em Santa Catarina assim que eles acontecem.

Copyright © 2016 Forquilhinha Notícias.

Topo