FORQUILHINHA Previsão do Tempo
Colunistas

Fantasmas de Benjamin

vagner fonseca v2

Há um saudosismo estranho em estudar. O som da chuva caindo lá fora e as gotículas em seus desenhos tortos na janela. Abre-se o livro, outro livro, abre-se o caderno. Há uma nostalgia insana em estudar.

O estudo exige o meu eu em mim, de mim o meu eu perde-se na guerra dos Cem Anos. Céus! Será que suas lanças faziam parábolas perfeitas no ar? Meu eu retorna nos limites do Velho Mundo entre tantas doenças e não consigo me decidir entre a geografia e a biologia. As trevas tomam minha idade à velocidade da luz e de repente paro: fico inerte e inerte tenciono ficar. Então precipito na queda causada por uma gravidade que sequer sei de onde vem. Acordo no chão entre livros, mapas, lápis e papéis amassados. Há um saudosismo estranho em estudar.

Quando criança brincávamos de escolinha. Quando crianças, brincávamos, ainda. Quando brincam as crianças hoje? Quando estudam?

Dengo Produtos de Limpeza
Contape
Net Lider
Credisol
Maderonchi

Minhas brincadeiras perdiam-se em mapas que eu gostava de criar. Arquipélagos, istmos, penínsulas, cabos, golfos, rios, lagos e montanhas. Uma miríade de paisagens pintadas à lápis de cor, depois giz de cera, ‘canetinhas hidrocor’. A imagem na tevê eu reinventava no papel tanto quanto os quadros de artistas famosos reproduzidos nos livros didáticos. Os gibis me auxiliavam muito e a série Vagalume era meu tesouro! Ainda guardo outros tesouros: álbuns de figurinhas de dinossauros!

Era brincadeira e era estudo ao mesmo tempo. Engenheiros nos formávamos brincando de carrinho. Um pedaço de madeira ou de lajota e lá estávamos abrindo estradas! Há, pois, uma nostalgia alegre em brincar. Desbravávamos o mundo com nossas monaretas e aprendíamos diplomacia nas regras de nossas brincadeiras. Mesmo brincando de casinha com as meninas – e olha que nem ligávamos para preconceito – já iniciava em nós as pequenas noções da vida em família, do respeito e da responsabilidade.

Estrategistas em nossas guerras de torrões, estrategistas brincando de esconde-esconde, velocistas no pega-pega. Até nossas brincadeiras maldosas com girinos e sapos faziam-nos biólogos. É, hoje sabemos o quão malvados éramos. Pobres girinos explodidos com água de seringas. Pobres formigas e moscas alimentando as aranhas. Assim estudávamos, de maneira torta, a biologia. Um pouco mais inocente era encher a entrada do formigueiro com obstáculos para comprovar a engenhosidade das formigas.

Hoje consigo enxergar em cada brincadeira o estudante que era. O delicioso vicio de viajar no atlas que até hoje guardo. Aprendi muita ciência, mas também aprendi muita religião lendo e relendo a bíblia em quadrinhos, guardada também.

A idade, porém, avança e os estudos se tornam cada vez mais complexos. Após um elevado grau de entendimento, uma fagulha aquilata-se no intelecto: naquele passado sempre presente repousa o estudante que brincava, o estudante que estudava, o estudante que se formava na simplicidade. Aquele estudante ainda estuda e quer continuar estudando cada vez mais, porém, não tem mais medo de se perder ou enlouquecer. O estudante, com prazer, ainda estuda. Às vezes algum medo o persegue e logo e se dissipa. Fica apenas o sentimento leve de que há sempre uma nostalgia estranha em estudar.


Marka final pauta
Dengo Produtos de Limpeza
Coopera Rodapé

Portal Forquilhinha Notícias. Acompanhe os fatos mais importantes de Forquilhinha em Santa Catarina assim que eles acontecem.

Copyright © 2016 Forquilhinha Notícias.

Topo