Colunistas

Os dilemas da educação a distância: agora pra valer…

Quando falo em educação gosto de separar um pouco as coisas: a educação está em todo lugar, não só na escola. Lá nas salas de aulas temos a educação escolar, uma parte do que consideramos educação. Nem vou me estender nisso, embora minha preocupação seja justamente sobre a educação escolar.

Recebi hoje pelas redes sociais um “print” de uma mensagem cuja autoria já deve ter se perdido nos meandros da web. A postagem em questão toca num assunto sério: a imensa quantidade de atividades que alunas e alunos têm recebido semanalmente em casa. Os professores devem estar loucos enviando tantas atividades assim! É só fazer a conta: 12 atividades por semana, quatro semanas e teremos 48 atividades em um mês! Que me desculpem os entusiastas, mas nem em nossa “normalidade” escolar isso ocorre. Então nossos alunos e nossas alunas vêm até nós reclamar sobre tudo isso:

_ Professor, terminei as atividades ontem e agora já tem tudo de novo!

Maderonchi
Thiago Auto Lavação
Star Seguros
Colinas Chocolatteria
Contape
Dengo Produtos de Limpeza

Está difícil, muito além do que nós professores trabalhamos em sala de aula. Está difícil para nós e para nossos alunos. Um aluno chegou a me implorar para fazermos uma aula “clandestina” numa praça, alguns alunos apenas, de máscaras e distanciamento. Confesso que cogitei a cena, mas o peso da cobrança sobre mim é maior. O pior de tudo é que mal me recordo do aluno, pois tivemos poucas aulas no início do ano! Como podemos “ensinar” algo assim? Me cortou o coração ouvir dele as dificuldades em aprender, querer mas não conseguir sozinho…

Em nossas conversas nas redes sociais trocamos nossas angústias e dificuldades. O meu celular quebrou, mas tenho computador em casa. Tenho alunos de 16 anos de idade que utilizam os celulares dos pais. Também tenho alunos com celulares de dois ou três mil reais mas que não conseguem pagar um plano de internet. Prioridades: ostentar vale mais que poder utilizar o aparelho em sua plenitude. Na verdade, se formos elencar os problemas, o rol iria longe e, na boa, quem sou eu para julgar cada um? O problema dos nossos problemas é que são nossos, não dos outros, e mesmo que fossem, seria muita maldade não se preocupar também.

Nós professores somos obrigados a dar conta de nossas atividades. Inventar coisas sabe lá Deus de onde sobre conteúdos ainda não discutidos não é fácil para ninguém. Apontar culpados também não soluciona nossos problemas, mas o fato é que estamos adoecendo, professores, pais, mães e alunos e alunas. Apaguei mais de 100 mensagens no whatsapp na semana passada, arquivei-as antes de apagá-las. Dois dias depois meu celular morreu e agora já tenho dificuldades em contatar os educandos.

A palavra mais séria nesse momento é, sem sombra de dúvida, resiliência. Precisamos, cada um de nós, nesse momento ter força, coragem, fé e esperança, o que for preciso para aguentar essa tempestade. Do contrário todos afundaremos juntos. Não está fácil vencer o peso da imensa burocracia que se abateu sobre nossa profissão, contudo, ainda a temos. Nem professores, nem alunos, nem famílias estão mais suportando tamanha pressão. Entretanto, é preciso seguirmos firmes, vencer nossas angústias e desesperos e tomar muito cuidado com toda ansiedade que vier. E, quando tudo isso passar – porque vai passar – que possamos repensar nossos papéis, escola e famílias, pais, mães, filhos e professores.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.


Marka final pauta
Dengo Produtos de Limpeza
Coopera Rodapé

Portal Forquilhinha Notícias. Acompanhe os fatos mais importantes de Forquilhinha em Santa Catarina assim que eles acontecem.

Copyright © 2016 Forquilhinha Notícias.

Topo