Prefeitura Capa Meio
Colunistas

Cinema, política e ciência

Câmara de Vereadores

Wagner Fonseca – poeta, professor e blogueiro

Às vezes a arte tem o poder de nos fazer refletir sobre nossa realidade de uma forma mais profunda. Bem, uma das funções da arte é justamente nos fazer pensar sobre tudo que nos rodeia e, de certa forma, pode-se até afirmar que se a arte não nos faz pensar sobre nosso mundo, então seria uma arte menor. Isso é discutível, porém, o cinema, a sétima arte, sempre traz até cada um de nós uma pulguinha atrás da orelha e quando isso acontece, temos o poder para refletir questões da nossa atualidade.

Nessa semana comecei a assistir a série “Chernobyl”, recente produção do canal HBO e que discute a catástrofe nuclear ocorrida na Ucrânia, antiga União Soviética, em 1986. Afora as adaptações à obra de arte cinematográfica, se faz indispensável traçar alguns paralelos entre a realidade pungente do dia a dia do nosso mundo globalizado, os aspectos sócio históricos, notadamente, com algumas mensagens que ficam no ar, pelo menos nos quatro episódios iniciais que assisti.

Maderonchi
Dengo Produtos de Limpeza
Spilere Serralheria
Contape

O primeiro ponto evidencia o peso e dimensão de um Estado totalitário: “olhos e ouvidos” estão por toda parte observando as atitudes e palavras das pessoas. É assim que funciona um Estado totalitário: padronização, da arquitetura aos pensamentos e atitudes individuais, amor ao Estado acima de tudo – que deve ser demonstrado sempre! – e um medo e uma burocracia gigantescos. No início mesmo da série o embate entre o pensamento científico e as artimanhas da política já aparecem denotando o teor do que se seguirá.

O especialista, aquela pessoa estudada cujos anos de estudo e pesquisa garantiram-lhe diplomas e conhecimentos necessários para o crescimento da nação alerta sobre a necessidade urgente de evacuação da área, algo que poderia rápida e organizadamente ser feito pelo imenso aparato estatal soviético, mas isso não ocorre.

Do outro lado da mesa o político velho – e não o velho político – representando o poder maior do Estado, destoa totalmente da fala do especialista, emite um discurso tipicamente diplomático – mas sem as honras do diploma, só para ser um pouco sarcástico – no intuito de mostrar que o Estado sabe mais para o bem do povo do que o próprio povo ou o homem do povo que estudou sua vida inteira para pensar o bem do povo. Esse é o nosso segundo ponto: quando o cientista não é ouvido pelo político, os problemas começam a piorar.

Não convém aqui contar mais detalhes da história da série, pois quero deixar a curiosidade no ar para que cada um possa assisti-la e tirar suas próprias conclusões. Àqueles fãs de história é uma boa pedida para reflexão da história recente e, obviamente, aos haters do comunismo e da esquerda, um prato cheio para criticar o “lado oposto”. Aliás, por falar em lados, é possível assistir a série independente desse olhar dualista – e por que não, maniqueísta – de acusação entre direita e esquerda sem, contudo, traçar críticas ao conceito de totalitarismo, não para deturpá-lo, mas sim para compreendê-lo, inclusive para além do “maniqueísmo” citado acima.

Enquanto buscava o sono fértil e imaginativo, as ideias me vieram à mente e consegui estabelecer um breve paralelo entre Chernobyl e, pelo menos, outras duas obras cinematográficas: “O dia depois de amanhã”, um blockbuster alarmante sobre a questão climática, e uma obra pouco conhecida, o filme “O ponto de mutação”. O primeiro filme já é um velho conhecido nosso e, para mim, dificilmente a Natureza castigará a humanidade daquela forma. Acredito que antes de nosso planeta causar eventos catastróficos rápidos, veremos nossa espécie sufocando aos poucos, como uma ferida que cicatriza bem devagarinho e faz doer. Desculpem-me se pareço pessimista, mas minha intenção não é atenuar nada mesmo.

O filme “O ponto de mutação” tem o mesmo nome do livro escrito pelo físico teórico Fritjof Capra, conhecido nome para quem estuda holística e pensamento sistêmico. No filme temos um diálogo entre um poeta e seu amigo senador estadunidense com uma também física teórica. Ambos se encontram num belo local do litoral francês que diariamente apresenta um fantástico evento natural de sobe e desce das marés. O filme debate as ideias contidas no livro de Capra e foi produzido pelo irmão do autor.

Não vou entrar em detalhes do filme – o livro, confesso, não o li em sua totalidade, embora já o tenha estudado e as suas ideias – todavia o trouxe aqui por apresentar um paralelo com a série Chernobyl. Se naquela obra o político tarda a ouvir o cientista, nesse filme nós vemos a ideia de Capra sobre o que seria um pensamento sistêmico, ainda de que de forma reduzida: a arte, a política e a ciência pensando em conjunto os problemas da humanidade e de nosso planeta.

Alguns mais radicais podem, inclusive, dizer que o problema do planeta somos nós (quem assistiu Godzilla II, rei dos monstros, vai entender isso). Entretanto, o filme, assim como o livro, nos trazem essa mensagem, de que os problemas que nós mesmos criamos para nossa casa comum só podem ser sanados em conjunto pelas mais diferentes formas de conhecimento.

O debate sobre esses temas ainda pode nos render muito, mas fica a reflexão mais que urgente para nossos dias. Nossos políticos precisam de uma sensibilidade maior do que têm, na verdade precisam mesmo é parar de pensar o mundo apenas pelos números da economia e entender que economia e ecologia possuem a mesma raiz na essência, que é o cuidado com nossa casa.

Não há conhecimento que seja maior ou melhor que outro, apenas há diferentes formas de conhecimento que precisam descer do seu altar de soberania individualista e olhar para o mundo como um todo, pois é isso que somos. O discurso egocêntrico precisa ser revisto, pois o narcisismo individualista parece esquecer que nossas individualidades só se completam na existência e respeito profundo ao outro. Sem o outro nada somos e nosso outro não é apenas um ser humano concreto, feito de carne e espírito.

Nosso outro é também composto por ideias e conceitos, por subjetividade, por visões diferentes sobre um mesmo mundo em que compartilhamos nossas vidas. Ou política, economia e ciências se unem ou nada restará em pouco tempo para ser reunido.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.


Spilere Serralheria G
Dengo Produtos de Limpeza
Marka final pauta
Coopera Rodapé

Portal Forquilhinha Notícias. Acompanhe os fatos mais importantes de Forquilhinha em Santa Catarina assim que eles acontecem.

Copyright © 2016 Forquilhinha Notícias.

Topo