Alerta

Sul catarinense será a região mais afetada pelos cortes em incentivos fiscais

arroz

A revogação de incentivos fiscais para defensivos agrícolas, previstos no decreto 1866/2018, deve impactar no bolso do catarinense. Desde o dia primeiro de agosto, os defensivos agrícolas passam a ser tachados em 17%, o que elava o custo de produção e impacta na economia.

Segundo o gerente comercial da Cooperja, Vinicius Cechinel de Moraes, uma das maiores cooperativas de produtores de arroz do Brasil, o custo de produção do arroz aumentará em média R$ 180,00 por hectare. “Será necessário produzir mais quatro sacas de arroz por hectare para igualar o custo de produção que temos hoje”, compara.

A medida ainda pode incentivar que os produtores venham comprar defensivos fora do Estado de Santa Catarina, já que nos Estados do Rio Grande do Sul e do Paraná a alíquota é menor a 5%. O que dá uma vantagem comercial para as revendas dos estados vizinhos. O gerente da Cooperja ainda explica que defensivos agrícolas são necessários para produção. “Os produtores não usam porque gostam e sim por necessidade. Pesquisas mostras que os defensivos, usados dentro das recomendações são seguros”, comenta.

Contape
Maderonchi
Posto Bravo
Dengo Produtos de Limpeza
Net Lider

Segundo o coordenador do Movimento Econômico da AMREC, Ailson Piva, o Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) que retornará para os municípios não será significativo. “O impacto no custo produtivo é muito maior. O que os municípios vão ganhar no aumento do retorno do ICMS, não vai compensar o que eles vão perder com impacto financeiro que a medida vai gerar na produção industrial e na sociedade”, analisa.

O diretor executivo da AMREC, Vanderlei Alexandre, o Lei, alerta que a região sul de Santa Catarina será a mais afetada. “A região é responsável pela maior parte da produção de Arroz do Estado. O tipo de cultivo do arroz em solo irrigado praticamente inviabiliza outras culturas, forçando o produtor a continuar com o cultivo de arroz, mesmo com prejuízo”, afirma Lei. Segundo ele, além do arroz, outras culturas importantes para a região também serão atingidas como a banana, o milho, o feijão, a batata e a criação de frangos.

Decreto 1867/2018

Outra reivindicação dos produtores é que o arroz parboilizado volte a fazer parte da cesta básica. Pelo decreto 1867 do Governo do Estado, o arroz mais produzido em solo catarinense (de 80% a 90%), volta a ser taxado em 9,91%, enquanto o arroz branco fica em 7%. Além disso, caso não ocorra nenhuma alteração, a cesta básica catarinense será a única que não terá nenhuma proteína animal.

Francine Ferreira – Antônio Rozeng

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.


Dengo Produtos de Limpeza
Marka final pauta
Coopera Rodapé

Portal Forquilhinha Notícias. Acompanhe os fatos mais importantes de Forquilhinha em Santa Catarina assim que eles acontecem.

Copyright © 2016 Forquilhinha Notícias.

Topo