Raríssima Cabeçalho
Economia

Prefeitura de Criciúma altera cobrança de taxa para aquisição de licenças

Administração Municipal cobrará segunda taxa em casos de novas vistorias provocadas por ato deliberado de contribuintes. Norma cumpre a lei complementar n° 223/2017.

Raríssima lateral
Contape
Cia da Saúde
Dengo Produtos de Limpeza

O contribuinte de Criciúma que solicitar a vistoria de um fiscal para adquirir uma licença, mas não estiver com a obra em acordo com o projeto no momento da análise, terá que pagar por uma nova fiscalização. A medida atende a lei complementar n° 223, de 24 de julho de 2017, que estabelece que, caso o contribuinte, por seu ato deliberado, provoque uma nova avaliação após ter feito o pedido da licença, uma nova taxa será cobrada. A lei equivale a todos os casos em que é necessário a vistoria para obter a licença.

De acordo com o chefe da Divisão de Fiscalização Urbana (DFU), Adriano Batista da Silva, a vistoria é necessária para a retirada de licenças de construção, habite-se, abertura de vala, demolição, entre outros. “O artigo 316-A foi criado para evitar despesas desnecessárias para a Prefeitura de Criciúma. Muitas pessoas solicitavam a visita do fiscal na obra, mas quando o profissional chegava no local, encontrava o trabalho incompleto, fazendo com que o fiscal retornasse ao local em outro dia. Nossos fiscais já foram até quatro vezes no mesmo lugar. Esse desperdício, além de causar custos ao Poder Executivo e perda de tempo dos fiscais, faz com que outros contribuintes tenham que aguardar mais tempo pela vistoria”, explica.

Para deixar a comunidade ciente da lei, um termo de responsabilidade é entregue no momento do pedido de vistoria. Segundo Silva, é comum os fiscais da Administração Municipal retornarem ao local após a solicitação da inspeção. “Isso acontece em aproximadamente 50% das fiscalizações. Com a lei, vamos evitar este problema. Os contribuintes terão mais cuidado, e se ocorrer de a obra não estar de acordo com o projeto, o fiscal atenderá outras pessoas enquanto uma nova taxa não for quitada. A lei complementar vai agilizar a liberação das licenças”, ressalta.

Francine Ferreira – Émerson Justo


Topo