Segurança

Mais de um ano depois, namorada confessa ter assassinado e enterrado corpo de Valcionir da Rosa

Foto: Divulgação PC

Alegação de Jaqueline Duarte Amboni é que crime foi em legítima defesa. Polícia Civil irá finalizar inquérito nesta semana.

Depois de mais de um ano de investigações, a Polícia Civil de Forquilhinha chegou a conclusão de que, no fim de 2015, a namorada de Valcionir da Rosa na época, a dentista Jaqueline Duarte Amboni, o assassinou a facadas e, com a ajuda de seu pai, enterrou o corpo em uma jazida de areia entre os municípios de Araranguá e Balneário Arroio do Silva. A acusada confessou os crimes na última sexta-feira, 7, e levou os policiais ao local onde o corpo estava escondido.

Valcionir da Rosa havia desaparecido no fim de 2015 e, desde então, familiares e Polícia Civil buscavam respostas sobre o seu paradeiro. “Um ano atrás já tínhamos uma certeza: a de que Jaqueline havia sumido com Valcionir. Mas levamos até agora para juntar mais provas e descobrir quem a ajudou a enterrar o corpo, e finalmente descobrimos”, conta o delegado de Forquilhinha, Eduardo de Mendonça.

Star Seguros
Maderonchi
Contape
Banana Motos
Net Lider
Dengo Produtos de Limpeza

Entenda o crime

De acordo com o delegado, a dentista confessou que, na noite em que ocorreu o assassinato, em seu apartamento, ela e Valcionir estavam brigando e ela já havia sido agredida quando pegou uma faca e correu para o quarto. Ele a teria alcançado e, para se defender, ela o esfaqueou. “A primeira facada pegou próximo ao pescoço, mas como já passou muito tempo, não temos como saber quantas facadas ela desferiu”, completa.

Segundo a investigação, depois disso, Jaqueline buscou o pai no Balneário Arroio do Silva e ambos enrolaram Valcionir em um cobertor, o levaram e enterraram no local já descrito. Na sequência, ela teria levado o pai embora, passado na casa da família de Valcionir para falar que ele havia supostamente sumido e depois ido para seu próprio apartamento.

Dentre as provas que a Polícia Civil tem sobre o caso, o delegado de Forquilhinha enumerou algumas importantes. “O fato de que Valcionir sumiu quando estava na casa de Jaqueline; ela ter se passado por ele e mandado mensagens para a família dizendo que havia ido embora para o Mato Grosso do Sul, por um número de celular desconhecido, até 15 dias depois do assassinato; e o percurso feito pelo carro de Jaqueline na noite do ocorrido, que conseguimos rastrear através da antena de seu celular”, ressalta.

O inquérito da Polícia Civil será finalizado e encaminhado ao Ministério Público nesta semana. “Ela será indiciada por homicídio e ocultação de cadáver e seu pai, por ajudar a esconder o corpo, responderá também por ocultação de cadáver. Como não houve flagrante, responderão em liberdade”, finaliza o delegado.

A ossada encontrada na última sexta-feira, 7, quando a dentista levou os policiais ao local onde o corpo foi enterrado, está sendo analisada pelo Instituto Médico Legal e Instituto Geral de Perícias.

Legítima defesa

A defesa de Jaqueline irá buscar o reconhecimento de legítima defesa, uma vez que ela vinha sendo agredida por Valcionir. “Porque foi o que houve no dia, ela apanhava bastante dele, inclusive no dia dos fatos foi agredida na frente de familiares, e já vinha passando por isso inúmeras vezes. A Jaqueline se entregou, contou e ainda vai contar a verdade com todos os detalhes, para que este caso possa ser julgado e resolvido, e para que todas as partes possam seguir com suas vidas”, argumenta o advogado da acusada, Alessandro Damiani.

Francine Ferreira

O delegado de Polícia Civil de Forquilhinha, Eduardo de Mendonça. Foto: Francine Ferreira.

Foto: Divulgação PC.

Foto: Divulgação PC.

 

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.


Marka final pauta
Dengo Produtos de Limpeza
Coopera Rodapé

Portal Forquilhinha Notícias. Acompanhe os fatos mais importantes de Forquilhinha em Santa Catarina assim que eles acontecem.

Copyright © 2016 Forquilhinha Notícias.

Topo