Alerta

Violência contra a mulher é tema de roda de conversa na Unesc

Ação contou com especialistas no assunto para o debate.

Segundo dados do Mapa da Violência, o Brasil é o 5˚ país do mundo com maior taxa de assassinato de mulheres em cada 100 mil habitantes. Apesar dessas taxas terem recuado 9,8% nos últimos anos para as mulheres brancas, no mesmo período houve um incremento de 54,2% do número de mulheres negras assassinadas, o que mostra que a violência contra as mulheres é um fenômeno que encontra discriminantes de raça e etnia que a tornam mais grave contra essa população.

O assunto foi debatido na Unesc na noite desta terça-feira, 17. A ação foi promovida pela Diretoria de Extensão, Cultura e Ações Comunitárias, juntamente com o curso de Direito e Enfermagem, em parceria com a Polícia Militar.

Contape
Dengo Produtos de Limpeza
Star Seguros
Sabor D,Italia
Colinas Chocolatteria
Net Lider

Segundo o coordenador do curso de Direto da Unesc, João Carlos, um dos principais objetivos do debate é mostrar aos estudantes a aplicabilidade prática destes direitos. “No nosso entendimento, de nada adianta a Lei, a constituição federal, e qualquer outro dispositivo normativo estabelecer determinado tipo de Direito se, na prática, ele não é concretizado”, comentou o professor.

O Tenente Coronel Evandro Fraga, comandante do 9˚ Batalhão da Polícia Militar de Santa Catarina, levou até os participantes as estratégias relacionadas a Rede Catarina de Proteção à Mulher. “O programa vem sendo desenvolvido em Criciúma desde outubro de 2017, com o acionamento da patrulha Maria da Penha por meio do Poder Judiciário. O projeto trabalha por meio de diversas estratégias, como o policiamento direcionado para o problema, que é a violência doméstica, principalmente relacionada ao gênero. Os números são extremamente preocupantes, não apenas em Santa Catarina, mas em todo o Brasil”, ressaltou Fraga.

Saúde pública

A enfermeira, Ana Regina da Silva Losso, comenta que por apresentar uma significativa dimensão epidemiológica, a violência sexual e/ou doméstica, contra crianças, adolescentes e mulheres adultas, é considerada um grave problema de saúde pública. “Esta realidade coloca novos problemas e desafios para o atendimento dos profissionais de saúde, porque o fenômeno da violência mostra a inadequação da organização tradicional nos serviços de saúde, quando coloca em evidência a necessidade de uma atuação muito mais específica, interdisciplinar, multiprofissional, intersetorial, visando sanar as necessidades dos cidadãos”, afirmou.

A presidente do conselho municipal de Direito da Mulher, Maria Estela Costa da Silva. “Nossa preocupação enquanto conselho é estar tentando diminuir a questão da violência. E nós temos enquanto parceiros a patrulha Maria da Penha, que vem desenvolvendo um papel muito importante para Criciúma. Nós percebemos que estamos formando uma rede, e esta rede está se fortalecendo. Nós temos o compromisso de ir até as comunidades, e nestes espaços empoderar mulheres e mostrar pra elas o que é possível, já que muitas delas não conhecem seus direitos”.

Saiba mais

Também participaram do encontro, a diretora de Extensão, Cultura e Ações Comunitárias, Fernanda Sonego, o médico Renan Boeira Rocha, psiquiatra do Nuprevips, e membro da Comissão de Saúde Mental da Mulher da Associação Brasileira de Psiquiatria, a professora do curso de Direito Mônica Ovinski de Camargo Cortina, pesquisadora da área de violência contra as mulheres e membro do NUPEC (Núcleo de Pesquisa em Direitos Humanos e Cidadania), e do Projeto de Extensão Amora: Capacitando Mulheres em Direitos Humanos.

Francine Ferreira – Mayra Lima

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.


Marka final pauta
Dengo Produtos de Limpeza
Coopera Rodapé

Portal Forquilhinha Notícias. Acompanhe os fatos mais importantes de Forquilhinha em Santa Catarina assim que eles acontecem.

Copyright © 2016 Forquilhinha Notícias.

Topo