Educação

Trote: integração sim. Humilhação não!

Unesc e DCE realizam evento que reúne calouros e veteranos.

“O acadêmico precisa entender que ele não é obrigado a participar de nenhum tipo de trote”. O alerta é da gestora da CPAE (Coordenadoria de Políticas de Atenção ao Estudante da Unesc), Janaína Vitório. Segundo ela, o trote tradicional muitas vezes ultrapassa a linha do que é correto e não cumpre o papel de integração e acolhimento.

Para dar as boas-vindas como se deve, há anos, a Universidade e o DCE Unesc realizam o Trote Solidário, que envolve cidadania, solidariedade e interação entre estudantes de diversos cursos. Segundo Janaína, o evento do segundo semestre de 2016 já começou a ser planejado e deve vir com novidades.

Star Seguros
Net Lider
Sabor D,Italia
Maderonchi
Colinas Chocolatteria
Dengo Produtos de Limpeza

“Em breve o Trote Solidário vai ser lançado e os estudantes poderão conhecer as atividades que serão desenvolvidas. Elas vão envolver ações em benefício da comunidade, dança, música e atividades que façam os novos alunos conhecerem melhor a Universidade. Este trote não é competitivo e todos que participam saem ganhando”, afirma.

Não à violência e à humilhação

A prática do trote nas instituições de ensino superior vem desde a Idade Média, e iniciou na Europa, sendo trazida para o Brasil por filhos de famílias nobres que estudavam no exterior – o primeiro ocorreu em 1831. Ao longo dos anos, essa tradição chegou a ocasionar a morte e ferimentos graves, além de humilhações e traumas.

Segundo a professora do curso de Psicologia da Unesc, Elenice de Freitas Sais, ingressar na Universidade pode ser considerado um rito de passagem da vida de adolescente para uma mais adulta, pois é a fase em que as pessoas iniciam o direcionamento para uma carreira profissional. E isso, segundo a psicóloga, costuma gerar insegurança, que aliada a uma recepção não muito amistosa, pode causar traumas e elevar o nível de tensão dos calouros.

“Os novos alunos estão chegando a um ambiente desconhecido e por isso é importante que sejam bem acolhidos na Universidade. Os veteranos podem fazer com que essa iniciação à vida acadêmica seja positiva”, comenta a professora.

Lei prevê punição

A legislação de Santa Catarina considera como trote todas as práticas que ofendam a integridade física, moral e psicológica dos novos estudantes; causem constrangimento aos novos alunos do estabelecimento de ensino; exponham, de forma vexatória, os calouros e impliquem pedido de doação de bens ou dinheiro pelos novos alunos.

A lei nº 11.158/1999 proíbe a prática do trote violento ou agressivo, nas instituições de ensino em Santa Catarina. A mesma lei ainda prevê que a instituição de ensino em que a pessoa que aplicou o trote esteja matriculada a suspenda e a afaste por um ano.

Já a lei nº 15.431/2010, proíbe o trote, determinando punição de suspensão do aluno de seis meses a um ano e/ou multa de R$ 1 mil a R$ 20 mil. E a Lei Complementar 546/2011 estabelece que o aluno que praticar o trote perde o direito à bolsas de estudo concedidas pelo Governo do Estado.

A Unesc também possui normas sobre o assunto. A resolução número 12/2001 proíbe atividades de recepção aos calouros que constituam atos contra a integridade física e moral do aluno, desrespeitem a dignidade humana, envolvam prática de violência, desrespeitem valores sociais e morais do calouro, comprometam o estado emocional do calouro, utilizem produtos químicos e ocasionem lesões corporais. Quem descumprir estará sujeito a punições.

Francine Ferreira – Milena Nandi

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.


Dengo Produtos de Limpeza
Marka final pauta
Coopera Rodapé

Portal Forquilhinha Notícias. Acompanhe os fatos mais importantes de Forquilhinha em Santa Catarina assim que eles acontecem.

Copyright © 2016 Forquilhinha Notícias.

Topo