Alerta

Sobre a Covid-19: “situação de Forquilhinha é a mais caótica até o momento”

Avaliação é da responsável pela Vigilância Epidemiológica, Gisele Scandolara Bosa, que faz desbafo pedindo mais colaboração da população.

Com mais de 300 casos da Covid-19 confirmados – exatamente 312 de acordo com último boletim divulgado pela Vigilância Epidemiológica nesta quinta-feira, 23 -, Forquilhinha enfrenta o momento considerado mais caótico no enfrentamento ao novo coronavírus.

Só no Centro de Triagem, já foram realizados mais de 800 testes rápidos, além dos diagnósticos de casos confirmados que a Secretaria de Saúde tem recebido dos laboratórios privados e hospitais.

Maderonchi
Dengo Produtos de Limpeza
Sabor D,Italia
Net Lider
Banana Motos
Posto Bravo

Conforme a enfermeira responsável pela Vigilância Epidemiológica de Forquilhinha, Gisele Scandolara Bosa, a situação atual do município pode ser classificada como a mais caótica até o momento. “Estamos enfrentando o pior período desde que iniciou a pandemia, o número de casos não para de aumentar, chegou o momento em que tudo o que falamos até então faz muito sentido. As pessoas desacreditaram e acharam besteira, mas agora já vemos o caos dentro dos hospitais, estamos presenciando pessoas que precisam ser transferidas para a UTI e tem que lutar para conseguir um leito, a situação é bastante preocupante”, ressalta.

Atualmente, todos os esforços e orientações são para que a população mantenha o isolamento adequado e para que as empresas levem a sério a situação e não permitam que funcionários adoecidos, ou com qualquer sintoma gripal, continuem trabalhando.

“Trabalhadores com sintoma gripal têm que ser afastados, mesmo que o empresário pense que não pode fechar, para manter o lucro. Acontece que um funcionário doente dentro da empresa vai contaminar o outro que vai contaminar o outro, e ai não para mais”, alerta a enfermeira.

A população que não leva a sério

Segundo Gisele, uma das partes mais complicadas do dia-a-dia de combate à pandemia é a necessidade de lidar com a população, que não respeita as regras de distanciamento social e não leva a sério o real perigo do vírus. “É bem difícil lidar com a inconsequência das pessoas, que não se sensibilizam com o momento que estamos vivendo”, avalia.

Para a enfermeira, há muitas atitudes que podem ser evitadas neste momento. “Vemos pessoas indo à igreja, por exemplo. Claro que é importante manter a religiosidade e ter uma crença, mas não necessariamente precisa ir até o espaço físico, o que acaba se tornando mais uma forma de se contaminar e contaminar outras pessoas. É um momento muito delicado, em que infelizmente a ação de um pode ser maléfica para o outro. Eu não consigo me proteger 100% sozinha, preciso contar com a colaboração de todos para me proteger também”, argumenta.

A responsabilidade compartilhada

Neste cenário, muitos ainda atribuem a responsabilidade do combate ao novo coronavírus apenas ao poder público, sem creditar a si mesmo parte do esforço necessário para vencer a Covid-19. “O mais complicado é que a população sempre acaba colocando a culpa no sistema de saúde, no SUS, no prefeito, no secretário de Saúde, na Vigilância Epidemiológica, mas não se dá conta que a culpa é de cada um que não faz a sua parte”, afirma Gisele.

“Claro que o setor público tem sua responsabilidade, precisa disponibilizar atendimento, mas cada um deve fazer um pouco também, para evitar a rápida transmissão do vírus. É só assim que vamos vencer, afinal de contas não estamos falando de uma doença banal, mas sim de uma pandemia que já deixou estragos em vários países do mundo. É inaceitável como algumas pessoas ainda se comportam”, completa.

A situação acaba impactando, também, em outros setores da sociedade. “A polícia, ao invés de estar reforçando a segurança do município, tem precisado ir atrás de fechar estabelecimentos que não cumprem as regras, de acabar com festas clandestinas que estão acontecendo. Mesmo com o tudo que a gente fala há tanto tempo, desde março repetindo a mesma coisa, falta de informação não é”, analisa a enfermeira.

Com isso, a superlotação no sistema de saúde já é uma realidade. Os hospitais do Sul catarinense estão com ocupação máxima, afogados de pacientes. “E os profissionais tentando dar o máximo, exaustos, tendo que trabalhar incansavelmente pra salvar vidas. E não só nos hospitais, o Centro de Triagem também está superando o número de atendimentos diariamente”, elenca.

“Por isso que é bastante triste e desanimador, ao mesmo tempo que a gente quer acreditar no ser humano e que existe solidariedade e consciência coletiva, vêm essas situações, esse desrespeito e falta de educação, compromentimento e empatia, pessoas que não querem entender o problema, só pensam em criticar. São essas pessoas de mente pequena, que ainda precisam aprender muito. E isso tudo só mostra que estamos muito longe de sermos uma sociedade civilizada que se preocupa com o próximo. No fim, é muito egoísmo”, finaliza Gisele.

Francine Ferreira

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.


Dengo Produtos de Limpeza
Marka final pauta
Coopera Rodapé

Portal Forquilhinha Notícias. Acompanhe os fatos mais importantes de Forquilhinha em Santa Catarina assim que eles acontecem.

Copyright © 2016 Forquilhinha Notícias.

Topo