Educação

Santa Catarina terá indicador próprio para avaliar a qualidade da educação

Ao mesmo tempo em que acerta os últimos detalhes para o início do ano letivo, marcado para esta segunda-feira, 11, a Secretaria de Estado da Educação (SED) trabalha em outras frentes para elevar a qualidade e ensino em Santa Catarina. As novidades foram comunicadas pelo secretário, Natalino Uggioni.

“Já iniciamos as tratativas com a Fecam e a Undime (entidades que representam os municípios catarinenses e os dirigentes municipais de educação, respectivamente) para desenvolver um índice de avaliação catarinense. Os índices que usamos hoje são nacionais e a gente quer desenvolver uma avaliação própria”, detalhou Uggioni.

Segundo ele, o objetivo é melhorar o monitoramento da realidade da educação em Santa Catarina, para agilizar a tomada de decisões e as ações necessárias. Um grupo de trabalho foi formado para desenvolver a metodologia, com planos de utilizá-la em caráter experimental ainda neste ano.

Maderonchi
ES Academia
Anunciar 2017 – 200px
Contape
Spilere Serralheria
Dengo Produtos de Limpeza

“Imagine se tivermos um painel de indicadores em cada escola. Poderemos ver os resultados das iniciativas que dão certo, copiar as boas práticas e subir a régua do nível da educação. Excelência é isso”, afirmou o secretário.

Participação da comunidade escolar

Santa Catarina dispõe de 1.073 escolas da rede estadual. O secretário frisou que a participação de toda a comunidade é importante para o desenvolvimento da educação. Todos os atores envolvidos, como profissionais, alunos e pais, correspondem a 20% da população catarinense, de acordo com Uggioni.

“Imagina a revolução que conseguiremos fazer se todo esse percentual estiver bem preparado”, considerou. “Os nossos indicadores não vão tão mal quando comparados a outros estados, mas temos que medir de acordo com os melhores do mundo, como Finlândia, Hong Kong e Cingapura”.

Inovações tecnológicas

O secretário também lembrou que há inovações tecnológicas em andamento, como a aquisição de lousas digitais, sistemas online para a realização de matrículas e para que professores e estudantes possam acompanhar os resultados do dia a dia na escola. “Quanto mais essas informações estiverem ao alcance das mãos, mais vamos aproximar a escola do que os alunos, a sociedade e o mundo esperam, que é um ambiente mais conectado”, disse.

A SED planeja criar e fortalecer parcerias com entidades como Instituto Ayrton Senna, Sesi, Senai e Sebrae para aumentar a oferta de ensino técnico e atividades no contraturno escolar, de modo que os alunos saiam do ensino médio mais bem capacitados para o mercado de trabalho. A ideia é ampliar o número de escolas que ofertam um segundo idioma.

“Já conversamos com Embaixada da Espanha e com Consulado Italiano. Nosso desejo é que em 2019 já tenhamos alguns projetos-piloto ampliados nesse sentido”, projetou Uggioni.

Francine Ferreira – Renan Medeiros

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.


Marka final pauta
Spilere Serralheria G
Dengo Produtos de Limpeza
Anuncie FN 2017
Coopera Rodapé
Topo