Notícias

Previdência do Estado: Governo propõe maior participação dos servidores

O Governo do Estado envia esta semana para a Assembleia Legislativa um projeto de lei que aumenta a participação dos servidores públicos estaduais na previdência pública. A medida é válida para servidores que foram admitidos antes de 26 de junho de 2008 nos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, além do Tribunal de Contas e Ministério Público. “Aumentar a alíquota não resolve o déficit da previdência, mas diminui o problema e, principalmente, desperta a consciência do servidor sobre o futuro da sua previdência”, afirmou o governador Raimundo Colombo.

Inativos terão faixa de isenção 

A proposta é de elevação da contribuição dos servidores de 11% para 14% e do Estado de 22% para 28%. O reajuste se dará de forma gradual, tanto para os servidores (12% em 2016, 13% em 2017 e 14% em 2018) quanto para o Estado (24% em 2016, 26% em 2017 e 28% em 2018). No caso dos servidores ativos, a alíquota será aplicada na totalidade da remuneração, enquanto para inativos e pensionistas, ela é válida apenas sobre o que exceder o teto do INSS (R$ 4.663,75). Nesse caso, o aumento da alíquota terá efeito apenas para 42% dos 63 mil inativos/pensionistas.

Apesar do percentual de aumento da alíquota previdenciária patronal ser o dobro da alíquota dos servidores, ela incide apenas sobre a folha de pagamento dos servidores ativos. No Poder Executivo, a estimativa até 2018 é de incremento de cerca de R$ 331 milhões com o reajuste da alíquota de contribuição previdenciária: R$ 137,3 milhões por parte dos servidores ativos, inativos e pensionistas e R$ 193,7 milhões a cargo do Estado.

Net Lider
Banana Motos
Dengo Produtos de Limpeza
Maderonchi
Contape
Posto Bravo

“Em 2014, Santa Catarina foi o segundo estado que mais aportou recursos para cobrir a insuficiência – ou rombo – da previdência, atrás apenas do Rio Grande do Sul. O modelo é insustentável e precisamos mudar. O servidor estará contribuindo mais para sua própria aposentadoria”, explicou o secretário da Fazenda, Antonio Gavazzoni. Dados da Fazenda comprovam que no ano passado, o gasto com o déficit previdência chegou a 15,30% da Receita Corrente Líquida e estima-se que alcance 16,38% em 2015.

Em 2014, a previdência catarinense custou aos cofres públicos R$ 4,3 bilhões. Os servidores ativos, inativos e os pensionistas contribuíram com R$ 700 milhões. O Tesouro do Estado desembolsou R$ 3,6 bilhões, dos quais R$ 900 milhões com a contribuição patronal e R$ 2,7 bilhões referente ao déficit. Em 2015 o déficit com a previdência superará os R$ 3 bilhões.

“A questão da previdência é uma bomba relógio que está instalada no serviço público brasileiro. A revisão do tema é um movimento difícil, mas que precisa ser feito. Temos que fazer isso agora para corrigir a situação lá na frente. É exatamente essa a intenção, corrigir uma situação que está desajustada para que seja possível manter um equilíbrio e a normalidade na vida das pessoas. Não se trata de uma visão do atual Governo, mas sim de uma visão de Estado, com olhar para o futuro”, acrescentou o governador.

Colombo lembrou que a preocupação com o equilíbrio das contas públicas ganha ainda mais atenção diante do cenário federal de ajuste fiscal e ressaltou que, diferentemente de outros estados, o Governo de Santa Catarina mantém a postura de não aumentar impostos.

Entenda:

O que é o projeto de lei que será enviado à Alesc?

Trata-se de um projeto de lei complementar, que altera a Lei Complementar n. 412, de 2008, que dispõe sobre a organização do Regime Próprio de Previdência dos Servidores do Estado de Santa Catarina (RPPS/SC).

O que ele propõe?

Elevação da contribuição dos servidores de 11% para 14% e do Estado de 22% para 28%, de forma gradual, tanto para os servidores (12% em 2016, 13% em 2017 e 14% em 2018) quanto para o Estado (24% em 2016, 26% em 2017 e 28% em 2018). No caso dos servidores ativos, a alíquota será aplicada na totalidade da remuneração, enquanto para inativos e pensionistas ela é válida apenas sobre o que exceder o teto do INSS.

 

Quem será impactado?

Servidores ativos, inativos e pensionistas dos três poderes que foram admitidos antes de junho 2008.

Qual é o objetivo do Governo com esse projeto de lei?

Amenizar o desembolso do Tesouro para subsidiar a previdência estadual, na tentativa de viabilizar o pagamento dos benefícios previdenciários que se encontram sob a tutela do Estado.

Por que só os servidores mais antigos?

Os servidores admitidos antes de 26 de junho de 2008 compõem o chamado Fundo Financeiro da previdência. É aqui que está o déficit da previdência porque antes não havia poupança. Atualmente o Governo do Estado contribui com 22% e o servidor contribui com 11% do salário integral. A grande maioria de servidores está nesse regime; em torno de 115 mil entre ativos, inativos e pensionistas. Mais da metade destes servidores já não estão mais na ativa.

E os servidores do fundo previdenciário criado em 2008?

Para eles não muda nada. Esses servidores contribuem com 11% do salário integral e o Governo com o mesmo valor. Hoje, esse fundo, criado em 2008, tem 13, 2 mil servidores e é superavitário, com poupança de aproximadamente R$ 800 milhões.

Francine Ferreira – Assessoria de Comunicação da Secretaria de Estado da Fazenda de Santa Catarina

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.


Dengo Produtos de Limpeza
Marka final pauta
Coopera Rodapé

Portal Forquilhinha Notícias. Acompanhe os fatos mais importantes de Forquilhinha em Santa Catarina assim que eles acontecem.

Copyright © 2016 Forquilhinha Notícias.

Topo