Alerta

#NadaJustifica: campanha visa combate à violência contra mulheres

O Governo do Estado lançou uma campanha de combate à violência contra as mulheres em Santa Catarina. A ação está focada no ambiente digital, com peças para redes sociais e produção de matérias especiais sobre o tema. Foram elaborados vídeos informativos e imagens para alertar sobre os números que, nas redes sociais, serão marcados com a hashtag #nadajustifica.

“É um assunto que merece bastante atenção. Essa campanha complementa outras ações já existentes em Santa Catarina para atenção às mulheres”, afirma a secretária estadual de Assistência Social, Trabalho e Habitação, Romanna Remor. Ela cita como exemplo os Centro de Referência de Assistência Social (Cras) e os Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas) – que são administrados pelos municípios mas que contam com a parceria estadual – onde as mulheres podem buscar ajuda.

Violência dentro de casa

Em 2018, conforme a Secretaria de Estado de Segurança Pública, foram registrados 1.382 estupros no Estado entre os meses de janeiro e abril. Também nesse período foram 6,9 mil casos de lesão corporal – sendo que quase 65% ocorreram dentro de casa.

Dengo Produtos de Limpeza
Net Lider
Posto Bravo
Colinas Chocolatteria
Thiago Auto Lavação
Maderonchi

Em relação ao feminicídio – crime praticado contra a mulher em decorrência de violência doméstica, familiar ou, ainda, menosprezo ou discriminação à condição de mulher – no primeiro trimestre desse ano foram registradas oito ocorrências em Santa Catarina. Em metade dos casos, as vítimas tinham até 30 anos e tinham filhos com o autor do crime. Três vítimas registraram boletim de ocorrência contra o criminoso. E quase todos os casos ocorreram dentro de casa.

“Ainda precisamos evoluir nas relações entre os casais e as famílias. Enquanto houver a sensação de propriedade um do outro, em especial do homem que se sente dono da mulher, teremos ocorrências de violência”. É o que relata a delegada de Polícia Civil, Patrícia Zimmermann D’Ávila, coordenadora das Delegacias de Atendimento à Criança, Adolescente e Idosos.

tabela 1Para o enfrentamento desse problema, em algumas cidades são oferecidos tratamentos psicológicos para o agressor, no sentido de trabalhar a compreensão das relações e combater a violência. As mulheres vítimas de agressão também são encaminhadas a grupos de apoio para entenderem que não estão sozinhas e que precisam agir para mudar a realidade em que vivem. “As mulheres não podem aceitar situações de violência. Precisam tocar adiante os inquéritos policiais”, destaca a delegada ao lembrar que muitas vítimas se sentem intimidadas e retiram as queixas ou então mudam seus depoimentos nas audiências.

A delegada Patrícia Zimmermann destaca ainda a evolução ocorrida em Chapecó: a cidade foi a que mais teve prisões preventivas como medida protetiva de urgência. Isso foi motivado por uma parceria entre a Polícia Civil e a Polícia Militar (Patrulha Maria da Penha). “Foi um mecanismo que deu resultado. As mulheres começaram a perceber que o sistema é eficiente. Então passaram a se sentir amparadas e com mais coragem para fazer as denúncias”, explica.

tabela 2

Nada justifica. Nada.

Segundo levantamento realizado pelo Instituto Maria da Penha, a cada dois segundos uma mulher é vítima de violência física ou verbal no Brasil. E a cada dois minutos, uma mulher é vítima de arma de fogo. Para denunciar esses casos, foi criado em 2005 o Dique 180 – Central de Atendimento à Mulher. Por meio desse canal as mulheres são orientadas sobre os serviços disponíveis para o enfrentamento do problema. É um serviço gratuito e anônimo. As atendentes são mulheres e são treinadas para dar o devido encaminhamento.

No exterior o 180 também funciona na Espanha (basta ligar para 900 990 055, discar opção 1 e, em seguida, informar em Português o número 61-3799.0180, em Portugal (pelo número para 800 800 550, discando 1 e informando o número 61-3799.0180) e na Itália (pelo número 800 172 211, discar 1 e, depois, informar em Português o número 61-3799.0180).

Em Santa Catarina as vítimas também podem fazer denuncias à Polícia Civil pelo número 181.

Outras dores

Conforme a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) de 2016, 26,1% das mulheres entre 14 e 29 anos que não frequentavam a escola faltavam às aulas porque precisavam executar tarefas domésticas ou cuidar de crianças, idosos ou pessoas com necessidades especiais. A PNAD 2017 revelou que o número de horas gastas por mulheres com afazeres domésticos é de 20,9 horas por semana, enquanto que a média entre os homens era de 10,8 horas semanais.

Francine Ferreira – Raquel Santi

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.


Dengo Produtos de Limpeza
Marka final pauta
Coopera Rodapé

Portal Forquilhinha Notícias. Acompanhe os fatos mais importantes de Forquilhinha em Santa Catarina assim que eles acontecem.

Copyright © 2016 Forquilhinha Notícias.

Topo