Vitae
Sulcatel
Cultura

Museu Histórico de Santa Catarina é reaberto ao público com nova iluminação

Depois de 45 dias fechado para uma reforma completa na parte elétrica, o Museu Histórico de Santa Catarina, sediado no Palácio Cruz e Sousa, no Centro de Florianópolis, foi reaberto. O secretário de Estado de Comunicação, Marcelo Mello Rego, representou o governador Eduardo Pinho Moreira durante cerimônia.

“A reabertura de um dos espaços mais antigos de Santa Catarina é muito importante para que as pessoas possam conhecer e viver um pouco da nossa história. É uma forma demonstrar que o Governo incentiva e apoia a cultura no Estado. Sou historiador e tenho um carinho especial por esse trabalho”, destacou o secretário da Comunicação, Marcelo Mello.

Toda a fiação foi substituída e as arandelas internas e externas tiveram a estrutura modernizada. A última grande reforma da parte elétrica foi realizada há cerca de 40 anos. “Já foi feita a restauração da marchetaria (piso de madeira) e agora fizemos a reparação dos lustres, além da lavação externa do prédio”, contou a restauradora do museu histórico, Márcia Escorteganha.

Da Soler Selo
Anunciar 2017 – 200px
Cia da Saúde
Freedom
Dengo Produtos de Limpeza
Car Vision

Conforme a administradora do espaço, Maria José da Costa Brandão, cada item da parte elétrica, desde uma tomada até a alimentação que vem da rua, foi substituída evitando ocorrências futuras como incêndio. “É um trabalho vital para essa edificação que há mais de 40 anos não recebia nenhum de tipo de reforma elétrica. A gente estava correndo constantes riscos no patrimônio”.

Em consideração ao trabalho realizado no último ano o atual presidente da Fundação Catarinense de Cultura (FCC), Oséas Mafra Filho, passou a palavra ao ex-presidente Rodolfo Pinto da Luz, que anunciou a restauração do memorial Cruz e Souza, local que abriga as cinzas do poeta.

“Cada detalhe dessa obra foi tratado com zelo e atenção. Em nome da história de Santa Catarina precisamos preservar este patrimônio para as futuras gerações”, disse o ex-presidente da FCC, Rodolfo Pinto da Luz.

Exposições

O Museu Histórico reabre com duas exposições na Sala Martinho de Haro: uma delas com obras do pintor Hassis e a outra de Jone Cesar Araújo, com a temática dos 270 anos da chegada dos açorianos ao litoral catarinense.

Museu virtual

Quem visitar o Museu Histórico poderá fazer uma tour virtual com o auxílio de um audioguia (clique aqui). Com essa ferramenta, o público pode obter informações sobre as principais obras, em texto e áudio, e em cinco línguas: português, inglês, espanhol, francês e italiano.

O Museu

Criado pela Lei Estadual nº 5.476, de 4 de outubro de 1978, o Museu Histórico de Santa Catarina (MHSC) teve sua abertura na Casa da Alfândega, em Florianópolis, realizada em 2 de março de 1979, conforme termo de abertura assinado pelo secretário da Educação e Cultura, professor Márcio Cesar Moraes.

A mudança efetiva da Alfândega para o Palácio Cruz e Sousa ocorreu antes mesmo que a lei que transferia o MHSC para a nova casa fosse sancionada. No dia 5 de dezembro de 1986, ocorreu a solenidade em que o governador Esperidião Amin sancionou a lei que transferia definitivamente o MHSC e o IHGSC para o Palácio Cruz e Sousa. Na Lei n. 6.900, de 5 de dezembro de 1986, o Palácio passa aos cuidados do MHSC.

A história

Em meados do século XVIII, época em que foi criada a Capitania da Ilha de Santa Catarina e nomeado seu primeiro governador, o brigadeiro José da Silva Paes, foi também construído junto à praça da Vila de Desterro um prédio de três seções e dois pavimentos para ser a nova “Casa de Governo”. Durante mais de um século, o Palácio passou por diversas modificações, até que na mudança republicana uma grande reforma (1894–1898) foi realizada, adquirindo as características arquitetônicas preservadas até o presente.

Dez estátuas alegóricas esculpidas pelo artista italiano Gabriel Silva ornamentam a parte externa do prédio, coroando as platibandas. Entre elas, a padroeira do estado, Santa Catarina; a ninfa evocativa dos mares, Anfitrite; e o deus mitológico Mercúrio, compondo com duas barricas, alegoria alusiva ao comércio e à indústria catarinenses, respectivamente, sendo o último localizado no alto da fachada lateral, à direita. Os ladrilhos da calçada à frente do palácio foram importados e assentados no ano de 1910.

Posteriormente, nas obras de manutenção, foram realizados inúmeros acréscimos e modificações internas, além de repinturas que se acumularam em várias camadas com o passar dos anos. Em 1977, deu-se início a um grande trabalho de restauração do edifício, que passou a denominar-se, em 1979, Palácio Cruz e Sousa, em homenagem ao grande poeta catarinense.

Em 1984, o prédio é tombado como patrimônio histórico do Estado e iniciam-se novas obras de restauração, as quais lhe devolvem as características arquitetônicas originais da reforma feita pelo governador Hercílio Luz em 1898. Em 1986, reaberto, passa a sediar o Museu Histórico de Santa Catarina.

A partir de 2005, foram retomados os trabalhos de restauração das pinturas decorativas das paredes internas e dos forros de estuque, tratamento emergencial necessário, que vem sendo realizado por uma equipe de profissionais qualificados, dentro de rigorosos critérios técnicos. Quem visita o Museu pode acompanhar as etapas da restauração.

Francine Ferreira – Rafael Vieira de Araújo 

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.


Spilere Serralheria G
Dengo Produtos de Limpeza
Anuncie FN 2017
Marka final pauta
Coopera Rodapé
Topo