Alerta

Mortes de motociclistas reacendem alerta para perigo no trânsito

Corpo de Bombeiros

Nos últimos dias, acidentes vitimaram cinco homens por cidades da região.

CFC Gonçalves
Coopera
Maderonchi
Drogaria Gabrielly

Chama atenção, negativamente, o número de mortes de motociclistas registrado nos últimos dias na região. Desde o sábado, cinco homens perderam a vida em acidentes envolvendo motos nas cidades de Treviso, Lauro Müller, Siderópolis, Cocal do Sul e Tubarão. Destes, quatro faleceram em um intervalo de 24 horas entre a segunda e terça-feira.

As últimas duas ocorrências foram registradas ontem, praticamente ao mesmo tempo, ao meio dia. Uma aconteceu na SC-108, Bairro Vila Nova, em Cocal do Sul, onde uma colisão frontal entre uma motocicleta e um automóvel Fiat Strada vitimou Daniel dos Santos, de 30 anos. Já na Avenida Padre Geraldo Spettmann, em Tubarão, Deisid Saviatto Negrello, de 28 anos, também morreu depois de colidir a moto que pilotava na lateral de um WM Jetta.

Antes dessas fatalidades, na última segunda-feira, outros acidentes resultaram nas mortes de dois homens: o idoso Loreni de Oliveira, de 65 anos, em Lauro Müller, que não resistiu a um politraumatismo depois de uma colisão entre duas motocicletas; e Kleiton Luiz Bada, de 24 anos, que colidiu na lateral de um caminhão na SC-445, em Siderópolis, e faleceu na hora. A tragédia em Lauro Müller deixou, ainda, um adolescente de 16 anos em estado grave.

E na tarde do último sábado, o advogado, Gilberto Oenning, de 66 anos, também perdeu a vida após colidir a motocicleta que pilotava contra um moerão de madeira às margens da SC-446, em Treviso.

Tantas vítimas em um curto espaço de tempo reacendem o alerta para o perigo nas estradas da região. “Principalmente para quem dirige motocicletas. Costumo dizer que cada pessoa que tem uma moto deveria pensar duas vezes antes de dirigi-la. É fato que quem tem um veículo deste dificilmente terá uma segunda chance caso se envolva em algum acidente, porque como é uma forma de transporte menos protegida, sempre acabam sendo registradas colisões com mais vítimas ou lesões corporais graves”, ressalta o agente de polícia civil e do Instituto Médico Legal (IML) de Criciúma, Almir Fernandes de Souza.

Além disso, de acordo com o agente, grande parte destes acidentes poderia ser prevenida de alguma forma. “Uma pesquisa do Departamento Nacional de Trânsito chama muita atenção em relação a este assunto. Ela diz que pelo menos 90% dessas ocorrências acontecem por falha humana, e o restante por problemas mecânicos e condições precárias das vias. Ou seja, alguma falha sempre se identifica, seja por excesso de velocidade, uso de álcool ou alguma forma de negligência. É uma realidade bastante preocupante”, completa.

E a cada morte registrada, pode-se considerar pelo menos seis a sete feridos, em sua maioria com sequelas graves, segundo Souza, o que torna a direção defensiva ainda mais necessária.  “Por isso buscamos sempre realizar e reforçar um trabalho de educação para o trânsito, com objetivo de transformar a nova geração e torná-la mais consciente”, finaliza o agente do IML.

Francine Ferreira


Topo
Inline
Inline