Alerta

Macacos do Parque Ecológico de Maracajá não são ameaça de febre amarela

Os frequentadores do Parque Ecológico de Maracajá e moradores da região podem ficar tranquilos, os quase 100 exemplares de macacos-prego que vivem no local, não são ameaças a proliferação da febre amarela que é registrada no sudeste e norte do país. A garantia é do diretor de saúde de Maracajá, Diogo Copetti. Segundo ele, na verdade, a transmissão é feita pelo mosquito Aedes Aegypti, mesmo transmissor da dengue e outras doenças, daí a importância da população continuar se prevenindo contra a formação de condições ideais para proliferação do mosquito: água limpa parada.

A febre amarela era uma doença extinta, mas reapareceu, segundo Copetti, por uma série de motivos. “São diversos fatores que levaram com que o vírus voltasse a se espalhar pelo país, como os próprios cuidados com as residências. Quanto o envolvimento do macaco em tudo isso, acontece que o mosquito pica o animal, ocorre uma mutação no sangue, assim podendo haver a transmissão da doença”. Além disso, o diretor ainda comenta que não há casos em Santa Catarina. “Mesmo não sendo diagnosticados casos,  o estado solicitou que ficássemos de alerta e orientássemos a população sobre esse problema de saúde púbica”.

A responsável pelo setor de Vigilância Epidemiológica de Maracajá, Silvana Bilésimo, salienta que as pessoas que vão viajar para alguns estados, como Rio de Janeiro, São Paulo, e Minas Gerais, devem fazer a vacina com antecedência, mas antes devem procurar o Cemasas, para se informar sobre a necessidade da vacinação.

Dengo Produtos de Limpeza
Posto Bravo
Colinas Chocolatteria
Sabor D,Italia
Contape
Star Seguros

Silvana ainda esclarece que “hoje há uma norma que estabelece que crianças que nasceram até 2017 e tenham mais de nove meses, devem fazer a vacinação e assim como as pessoas que forem viajar para alguns estados específicos-  pelo menos 15 dias antes, já que a vacina não tem efeito imediato-, bem como caminhoneiros e idosos que possuírem recomendação médica”.

Por fim, Diogo relata que os efeitos da doença são muito parecidos, com o de outras viroses. “Os sintomas são febre, dores no corpo, sangramento pelas vias orais, náusea, dor de cabeça, tudo em excesso; aos primeiros sinais, a unidade de saúde deve ser procurada”, orienta o diretor de Saúde.

Francine Ferreira – Gilvan de França

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.


Dengo Produtos de Limpeza
Marka final pauta
Coopera Rodapé

Portal Forquilhinha Notícias. Acompanhe os fatos mais importantes de Forquilhinha em Santa Catarina assim que eles acontecem.

Copyright © 2016 Forquilhinha Notícias.

Topo