Raríssima Cabeçalho
Região

Hospital São José realiza novas captações de órgãos

Em nove meses, serviço realizou 10 captações de múltiplos órgãos.

Spilere Serralheria
Cia da Saúde
Raríssima lateral
Maderonchi

Aconteceram nesta semana, por intermédio da Comissão Intra-hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes – CIHDOTT do Hospital São José, a 10ª e 11ª captações de órgãos do ano. O primeiro doador foi um homem de 51 anos, morador de Turvo.  M.M, sofreu uma hemorragia cerebral e teve morte encefálica confirmada após a realização de todos os exames necessários. A segunda foi G.C, de 38 anos, que era moradora de Cocal do Sul. A paciente sofreu um acidente vascular isquêmico e teve morte cerebral confirmada após a realização de todos os exames necessários.

As enfermeiras Amanda Cândido e Renata Machado entrevistaram as famílias e esclareceram todas as dúvidas sobre a importância da doação de órgãos. Já as enfermeiras Franciele Kreutz e Jaqueline Martins auxiliaram o médico captador Aldo Takano (CRM15057/RQE 11343) na captação dos rins e globo ocular do primeiro paciente e rins e fígado da segunda.

No Brasil, para ser um doador, os familiares precisam ser informados. São eles que irão autorizar ou não a doação de órgãos após a constatação da morte encefálica. Se você tem este desejo, é importante avisar sua família sobre essa decisão e pedir que seu desejo seja atendido.

Os órgãos que podem ser captados após confirmação da morte encefálica são: coração, pulmões, rins, pâncreas, fígado, intestinos, ossos, tendões, córneas e pele.

O Dia Nacional do Doador de Órgãos é lembrado no próximo dia 27 de setembro. Ações em todo país serão realizadas para conscientizar a população em geral sobre a importância do tema.

“Trabalhamos continuamente para a desmistificação de preconceitos que grande parte das pessoas tem com a doação de órgãos. A demanda por órgãos é sempre grande no Estado, e gostaríamos que as pessoas não tivessem medo. Apesar da dor em perder um ente querido, essa vida poderá salvar até outras 10 vidas”, finaliza Daniela Luiz, que é enfermeira e coordenadora da CIHDOTT do Hospital São José.

Francine Ferreira – Kátia Farias


Topo