Coronavírus

Especialista alerta para que, mesmo em meio a aparente tranquilidade, comunidade não afrouxe medidas de prevenção

Felipe Dal Pizzol

Professor e pesquisador Felipe Dal Pizzol avalia cenário do Sul como positivo se comparado ao restante do país, mas alerta para necessidade da manutenção dos cuidados e recomendações.

Ninguém melhor do que quem atua diariamente na linha de frente do combate à Covid-19 e pesquisa sobre o assunto para explicar a situação atual na região e orientar a comunidade sobre as medidas a serem adotadas. Pensando nisso, a Unesc conta com a constante participação do professor infectologista e presidente da Comissão Temporária de Acompanhamento e Prevenção da Unesc, Felipe Dal Pizzol, compartilhando informações sobre a situação da pandemia no Sul de Santa Catarina, além do panorama mundial no que diz respeito à pesquisa. Diante do cenário que encontra no dia a dia do trabalho e a troca de informações com colegas de todo o país e de fora dele, para Felipe, não é hora de afrouxar as medidas e lidar de forma menos rigorosa com a situação.

O aumento do movimento de pessoas nas ruas e a sensação de maior liberdade ao passar dos dias, conforme o pesquisador, não podem fazer com que as medidas de prevenção sejam relaxadas. “Apesar da nossa aparente tranquilidade da situação da nossa região em relação ao restante do país e grande parte do mundo, não é hora de afrouxar. Estamos sendo beneficiados por isso, mas precisamos agir de forma a continuar com um bom cenário. Temos que ver a situação como um prêmio ao nosso Estado e nossa região ao estar fazendo a sua parte para se prevenir”, explica.

Contape
Net Lider
Posto Bravo
Dengo Produtos de Limpeza
Maderonchi

A relativa tranquilidade em Santa Catarina até o momento, de acordo com Felipe, é resultado de o Estado ter sido um dos primeiros em que o governo tomou atitudes mais enfáticas em relação ao isolamento social. “Acredito que isso tenha nos beneficiado de forma geral. Se analisarmos, a região Sul tem mais casos confirmados e mais óbitos, no entanto o Estado como um todo parece ainda beneficiado em relação aos outros. Essa situação pode mudar nas próximas semanas se levarmos em conta o fator protetor demográfico e a sazonalidade”, explica.

O afrouxamento nas medidas de prevenção e no distanciamento social, para o professor, só devem acontecer quando, de fato, houver redução muito significativa no número de casos da Covid-19. “As medidas recomendadas pela OMS para tentar reduzir ou tentar distribuir os casos em tempo maior para reduzir a sobrecarga do sistema de saúde são aplicáveis até que se tenha uma redução importante de casos. O fim da doença não vai existir, mas essa redução precisa ser muito significativa. Por mais que a gente entenda que a economia é importante, isso não faz com que se deva abrir mão da segurança envolvida. A indicação continua sendo, efetivamente, sair de casa só quando for necessário e se sair ficar distante das pessoas e com todas as medidas”, ponta.

Ao assistir notícias ou acessá-las em veículos confiáveis de comunicação, conforme Felipe, é importante que as informações não sejam menosprezadas como forma de minimizar a situação. “Liguem em qualquer canal de notícias por dez minutos. Aquilo que estão vendo não é fakenews. É a realidade. São milhares de pessoas internadas em UTI’s em São Paulo. Isso é o alerta de que a gente não pode relaxar. É difícil, penoso, estressante, mas é importante. É hora de continuarmos unidos por algumas semanas ou poucos meses, mas pela saúde de todos nós e entes queridos. A vida depois disso continua”, completa o pesquisador.

Colaboração nacional

Há um mês o Ministério da Saúde lançou as “Diretrizes para Diagnóstico e Tratamento da Covid-19”, o qual contou com a participação do pesquisador Felipe Dal Pizzol entre os dez profissionais engajados na elaboração do documento. O manual de quase 400 páginas contou com o compartilhamento do conhecimento de grandes pesquisadores do país em prol da orientação dos profissionais de saúde no enfrentamento da pandemia no país.

O professor representa ainda a Unesc e a região na Coalizão Covid Brasil, um grupo de profissionais que realiza pesquisas para avaliar a eficácia e segurança de medicamentos para pacientes com infecção pelo coronavírus.

Em sua atuação na Universidade, Dal Pizzol ainda coordena o PPGCS (Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde), um dos poucos programas nota 6 (de um máximo de 7) pela Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior).

Redação – Assessoria de Imprensa Unesc

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.


Marka final pauta
Dengo Produtos de Limpeza
Coopera Rodapé

Portal Forquilhinha Notícias. Acompanhe os fatos mais importantes de Forquilhinha em Santa Catarina assim que eles acontecem.

Copyright © 2016 Forquilhinha Notícias.

Topo