Raríssima Cabeçalho
Segurança

Caso Valcionir da Rosa: inquérito da Polícia Civil aponta para assassinato premeditado

Documento foi finalizado e deve ser entregue ao Ministério Público nesta quinta-feira, 20.

A Polícia Civil de Forquilhinha concluiu o inquérito do caso do assassinato à facadas de Valcionir da Rosa, de 26 anos, confessado pela namorada dele na época, a dentista Jaqueline Duarte Amboni, de 33 anos. O resultado da investigação deve ser encaminhado ao Ministério Público nesta quinta-feira, 20.

Conforme o documento, assinado pelo delegado de Polícia Civil de Forquilhinha, Eduardo de Mendonça, a acusada era agredida por Valcionir, estava sendo ameaçada por ele e, por isso, planejou o crime, drogando-o antes de matá-lo. No relatório consta, ainda, que ela estaria se passando pela vítima desde a manhã do dia do crime.

Jaqueline foi indiciada por homicídio qualificado e ocultação de cadáver. Já seu pai, que ajudou a esconder o corpo, por ocultação de cadáver. Os dois seguem respondendo em liberdade.

Spilere Serralheria
Raríssima lateral
Coopera
Dengo Produtos de Limpeza

O advogada da dentista, Alessandro Damiani, irá manter a tese de legítima defesa, por conta das agressões que Jaqueline vinha sofrendo de Valcionir. O caso pode ir a júri popular.

ENTENDA O CRIME

A dentista confessou que, na noite em que ocorreu o assassinato, em dezembro de 2015, em seu apartamento, ela e Valcionir estavam brigando e ela já havia sido agredida quando pegou uma faca e correu para o quarto. Ele a teria alcançado e, para se defender, ela o esfaqueou. “A primeira facada pegou próximo ao pescoço, mas como já passou muito tempo, não temos como saber quantas facadas ela desferiu”, completa o delegado.

Segundo a investigação, depois disso, Jaqueline buscou o pai no Balneário Arroio do Silva e ambos enrolaram Valcionir em um cobertor, o levaram e enterraram em uma jazida de areia entre os municípios de Araranguá e Balneário Arroio do Silva. Na sequência, ela teria levado o pai embora, passado na casa da família de Valcionir para falar que ele havia supostamente sumido e depois ido para seu próprio apartamento.

Dentre as provas que a Polícia Civil tem sobre o caso, o delegado de Forquilhinha enumerou algumas importantes. “O fato de que Valcionir sumiu quando estava na casa de Jaqueline; ela ter se passado por ele e mandado mensagens para a família dizendo que havia ido embora para o Mato Grosso do Sul, por um número de celular desconhecido, até 15 dias depois do assassinato; e o percurso feito pelo carro de Jaqueline na noite do ocorrido, que conseguimos rastrear através da antena de seu celular”, ressalta.

FRANCINE FERREIRA


Marka final pauta
Raríssima Final
Dengo Produtos de Limpeza
Topo