Justiça

Araranguá deve oferecer educação infantil a todas as crianças de até cinco anos

Município descumpriu acordo com MPSC, que foi à Justiça para garantir as vagas em creches e pré-escolas na rede pública em até 180 dias, sob pena de multa diária e pessoal ao Município, ao Prefeito e à Secretária de Educação

O Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) obteve decisão liminar para determinar que o Município de Araranguá garanta, em no máximo 180 dias, creche e pré-escola a todas as crianças de até cinco anos que necessitarem. Caso a decisão não seja cumprida, o Prefeito e a Secretária Municipal da Educação ficam sujeitos a multa pessoal diária de R$ 100,00 por criança não atendida.

A ação foi ajuizada pela 1ª promotoria de Justiça da Comarca de Araranguá após o Município recusar-se a cumprir um termo de ajustamento de conduta firmado em 2009, que previa a abertura de 321 vagas até o final daquele ano. Na ação, o Promotor de Justiça Pablo Inglêz Sinhori relata que a judicialização do caso foi necessária em função da falta de comprometimento do Município.

Dengo Produtos de Limpeza
Sabor D,Italia
Contape
Star Seguros
Maderonchi
Net Lider

Quando cobrado o cumprimento do acordo, em 2012, o Município alegou que estava providenciando espaço físico para atender à demanda, mas que havia vagas disponíveis em localidades distantes da residência das crianças, não se manifestando quanto ao transporte dos alunos até o local onde havia oferta de matrícula.

Entre 2012 e 2015, por seis vezes o Ministério Público cobrou do Município a comprovação do cumprimento do TAC, mas as respostas sempre foram evasivas. Em 2015, a Secretaria da Educação reconheceu que cerca de 20% das crianças de Araranguá estavam fora das unidades escolares for falta de espaço físico.

Em julho de 2017, o Ministério Público fez uma última tentativa de instar o Município a resolver o problema crônico de falta de vagas na educação infantil pública, propondo um aditamento do TAC, com novos prazos para o cumprimento. A secretária de Educação, no entanto, enviou uma contraproposta com a criação de apenas 60 vagas por ano em 2018, 2019 e 2020.

Na ação, o Promotor de Justiça salienta que em 2009 o déficit no ensino infantil somava 321 vagas e que após nove anos nos quais o problema apenas foi se perpetuando, a Secretaria de educação de Araranguá propôs a criação de 180 vagas, para serem efetivadas em parcelas.

“Nesse cenário, após quase dez anos de tentativas extrajudiciais frustradas para fazer com o que os demandados dessem amparo aos direitos inerentes à única prioridade absoluta eleita pela Constituição Federal, não há outro caminho a trilhar senão o ajuizamento da presente Ação Civil Pública”, considerou o Promotor de Justiça.

A medida liminar pleiteada pelo Ministério Público foi concedida pelo Juízo da 3ª vara Cível da Comarca de Araranguá, determinando que em 180 dias, o Município disponibilize vagas em estabelecimentos escolares da rede pública a todos os seus munícipes em fase de educação infantil, assim entendidos aqueles com idade de 0 a 5 anos completos no curso do ano letivo.

Caso a liminar não seja cumprida, o Município, o Prefeito Mariano Mazzuco Neto e a Secretária de Educação Ariane Oliveira de Almeida Pereira ficam sujeitos a multa individual diária no valor de R$ 100,00 por criança que tenha negado o seu pedido de vaga. A decisão é passível de recurso. (ACP n. 0900139-42.2018.8.24.0004)

Francine Ferreira – Coordenadoria de Comunicação Social do MPSC

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.


Marka final pauta
Dengo Produtos de Limpeza
Coopera Rodapé

Portal Forquilhinha Notícias. Acompanhe os fatos mais importantes de Forquilhinha em Santa Catarina assim que eles acontecem.

Copyright © 2016 Forquilhinha Notícias.

Topo